Quer partilhar boleias? A Brisa dá a estrada e a plataforma

  • Lusa
  • 26 Junho 2017

O grupo Brisa vai lançar na quinta-feira o serviço Via Verde Boleias, uma plataforma de partilha de custos de viagens, que se insere na estratégia da empresa como “operador de mobilidade”.

Em declarações à Lusa, à margem do anúncio do arranque do novo serviço, em Lisboa, o presidente da Brisa, Vasco de Mello, disse que se vive “num período de alteração comportamental e a empresa está presente na economia da partilha”.

A partilha de boleias, através do automóvel (no acrónimo inglês ‘ridesharing’ ou ‘carpooling’), é uma solução que se baseia em plataformas que “ligam a procura e a oferta e que organizam e tornam mais simples e mais seguras a partilha de custos das viagens de automóvel”, explica a Brisa. Segundo a empresa, na União Europeia existem várias plataformas com mais de 40 milhões de utilizadores.

“A Via Verde Boleias vem dinamizar a economia de partilha em Portugal”, acrescentou Vasco de Mello, referindo que é “uma primeira iniciativa [da Brisa] que vai ao encontro daquilo que são as necessidades dos clientes e que permite passar do automóvel para a pessoa”.

Os passageiros vão a partir de quinta-feira passar a ter acesso a uma plataforma e a uma solução de “mobilidade económica”, refere, mantendo a comodidade do automóvel e a vantagem do ponto de encontro e de chegada serem acordados entre os participantes, oferecendo assim “uma mobilidade mais eficiente do que as outras soluções”.

O Via Verde Boleias tem “a ambição de se estabelecer” como “a plataforma de referência para os portugueses”. A partir de setembro, vão estar disponíveis os grupos fechados, uma funcionalidade que se destina às empresas, universidades e outras instituições que pretendam disponibilizar este serviço aos seus membros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer partilhar boleias? A Brisa dá a estrada e a plataforma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião