Macron avança com a “mãe de todas as reformas”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 28 Junho 2017

O Presidente francês espera que a "mãe de todas as reformas" não tenha de passar pelo Parlamento. Indemnizações e acordos salariais na mira.

O presidente francês, Emmanuel Macron, quer introduzir alterações profundas no mercado de trabalho e vai pedir ao Parlamento autorização para negociar os detalhes com patrões e sindicatos no verão.

O objetivo é que o novo quadro se concretize em setembro, através de decreto, evitando assim que as medidas tenham de passar pelo debate parlamentar mais demorado, avança a Bloomberg. O Presidente pode não ter outra oportunidade melhor, nota a agência, agora que o seu capital político está em alta e que a economia apresenta sinais de robustez.

O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, chamou-lhe “a mãe de todas as reformas”, numa entrevista ao Le Figaro, e disse que não há tempo a perder agora que o contexto é favorável. O que quer então Macron mudar? De acordo com a Bloomberg, estão em causa três áreas:

  • Limitar as indemnizações e outros custos de despedimento;
  • Simplificar os conselhos de representação de trabalhadores;
  • Decidir quem deve negociar acordos salariais.

Estes temas também ganharam dimensão no espaço público português nos últimos anos. As compensações por despedimento legal já foram reduzidas em Portugal (nas indemnizações por despedimento ilícito não houve mudanças embora a Comissão Europeia e a OCDE continuem a pressionar nesse sentido).

A presença da troika em Portugal também trouxe mudanças na contratação coletiva. As instituições internacionais preferem dar destaque a acordos de empresa, mais próximos entre patrão e trabalhador, em detrimento de acordos abrangentes de nível setorial. Por cá, regime de caducidade foi alterado e foram introduzidos bloqueios às portarias de extensão com o intuito de moderar a abrangência de aumentos salariais — a medida gerou críticas tanto a associações patronais como sindicais e as restrições acabaram por ser reduzidas. Recentemente, foi dado novo passo no sentido do alargamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macron avança com a “mãe de todas as reformas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião