5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

  • Ana Batalha Oliveira
  • 29 Junho 2017

Em Portugal, a avaliação bancária das casas divide as atenções com a saída da EDP da REN. O Euro dispara enquanto vários indicadores tiram a temperatura à economia europeia e nacional.

A avaliação bancária volta à agenda e vem dar pistas sobre a possível bolha imobiliária em Portugal. Ainda por cá, a venda da participação da EDP na REN promete agitar a bolsa nacional. Já o presidente do BCE, Mario Draghi, espoleta o otimismo a partir de Sintra e faz disparar a moeda única. Quinta-feira também é dia de tirar o pulso aos sentimentos dos consumidores e empresas na economia portuguesa e europeia.

Avaliação bancária na habitação: novo pico?

O Instituto Nacional de Estatística adiou para esta quinta-feira a divulgação dos resultados do Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação para o mês de maio. Após a primeira quebra no espaço de um ano, registada em março, o valor médio da avaliação bancária na habitação recuperou em abril e atingiu um pico de 69 meses: não estava tão alto desde julho de 2011. Na semana passada, o Índice de Preços da Habitação do primeiro trimestre revelou um aumento de 7,9% nos preços das casas em relação a 2016.

PSI-20 em curto-circuito com a saída da EDP da REN?

Na quarta-feira a EDP anunciou a venda da totalidade da participação na REN. A venda ao banco de investimento JB Capital Markets surge após sete sessões em queda da EDP e apenas duas da REN, que pode agora afundar mais com a desconfiança dos investidores.

Consumidores e empresas em Portugal: como está a confiança?

Os inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores relativos ao mês de junho vão ser divulgados esta quinta-feira pelo INE. Isto dias após a mesma entidade revelar que a taxa de poupança das famílias portuguesas caiu para um mínimo histórico, ao dobro da velocidade do crescimento dos rendimentos.

Mercado cambial ao rubro com “jogo” de Draghi

As declarações de que “a ameaça de deflação já não existe e de que as forças reflacionárias [impulso dos preços por via de políticas orçamentais] estão em jogo”, feitas por Draghi no Fórum do Banco Central Europeu (BCE), fizeram disparar a moeda única. O euro atingiu máximos de um ano após este discurso otimista em que o presidente do BCE classificou os efeitos que têm enfraquecido a inflação como temporários.

União Europeia: economia e negócios bem estimulados?

A Comissão Europeia lança esta quinta-feira os indicadores de Sentimento Económico e do Clima de Negócios relativos ao mês de junho. Estes dados surgem um dia após o recém-eleito Macron anunciar a “mãe de todas as reformas” à economia francesa, onde quer reformular o mercado de trabalho. Também o programa de governo de Theresa May vai a votos esta quinta-feira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião