Japão junta-se à UE em resposta ao protecionismo de Trump

  • ECO
  • 1 Julho 2017

Nas vésperas do G-20, Japão e União Europeia estão a ultimar um acordo comercial. As negociações estão praticamente terminadas, sendo esta uma resposta dos dois blocos ao protecionismo dos EUA.

Japão e União Europeia estão prestes a firmar um acordo comercial. Nas vésperas do G20, as negociações entre ambos os blocos económicos estão a entrar na reta final, diz o Financial Times (acesso pago). Apesar da última reunião, realizada este sábado, não ter terminado com uma assinatura de ambos, foram feitos progressos em áreas sensíveis como o queijo e as peças para automóveis.

De acordo com a publicação financeira, responsáveis dos países europeus e nipónicos sinalizaram que os seus líderes políticos mostraram abertura para avançar com o acordo de comércio livre. A expectativa é de que esse acordo possa ser alcançado numa cimeira que terá lugar a 6 de julho, antes do G20, a 7 e 8 de julho, em Hamburgo.

“estamos quase lá”, diz Cecilia Malmström, a comissária europeia do Comércio, acrescentando que “há convergência suficiente para que os nossos representantes possam chegar a acordo na cimeira que se realizada na próxima semana“. “Houve progressos suficientes, mas há ainda assuntos pendentes”, disse Fumio Kishida, ministro dos Negócios Estrangeiros, mostrando um pouco mais de cautela.

A assinatura de um acordo entre os dois blocos seria vista como uma mensagem do Japão e da União Europeia aos EUA, nomeadamente a Donald Trump. É que o presidente norte-americano é um defensor do protecionismo, estando a implementar medidas no sentido de favorecer empresas que produzam nos EUA em desfavor de grupos internacionais que querem exportar para os EUA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Japão junta-se à UE em resposta ao protecionismo de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião