Serviços do Estado disponíveis no seu comando da TV

Medida do programa Simplex+ prevê a disponibilização de um pacote de serviços públicos diretamente nas boxes de televisão das operadoras portuguesas, como a marcação de consultas.

O Governo quer disponibilizar vários serviços públicos diretamente nas televisões dos portugueses. A medida chama-se “Administração Pública@TV” e faz parte do programa Simplex+. O prazo previsto de implementação é o segundo trimestre do ano que vem, altura em que deverá ser integrado nas boxes de televisão das várias operadoras um conjunto de serviços que ainda não está totalmente definido.

Em concreto, a medida visa a criação de “conteúdos destinados à utilização em aplicação para as boxes dos operadores de telecomunicações”, o que irá permitir “uma linha direta de comunicação entre as televisões e alguns serviços públicos”, de acordo com a descrição da medida indicada no portal do Simplex+. A medida está à responsabilidade do Ministério da Presidência e da Modernização Administrativa e estará a ser desenvolvida em colaboração com entidades privadas.

O ECO contactou o gabinete de comunicação do Ministério para saber mais acerca desta medida. Questionada sobre como irá funcionar, fonte oficial respondeu que “serão disponibilizados serviços públicos através do canal ‘TV’, designadamente nas boxes dos operadores”. Mas afinal, quais serviços? “A definição dos serviços públicos depende ainda de uma aferição e discussão junto dos operadores”, respondeu a mesma fonte. E acrescentou: “Prevê-se a disponibilização de serviços como, na área da saúde, a marcação de consultas, ou a adesão à Chave Móvel Digital.”

No que toca a custos, o ministério liderado por Maria Manuel Leitão Marques referiu: “A solução ainda está a ser desenvolvida em conjunto com os operadores. O investimento dependerá, por exemplo, dos serviços que sejam disponibilizados.” O ECO contactou a Nowo e a PT/Altice, dona da Meo, com algumas questões acerca desta colaboração. Ainda não tinha tido resposta à hora de publicação deste artigo. A Nos e a Vodafone não comentaram.

O programa Simplex+ 2017 foi divulgado pelo Governo na passada segunda-feira. Como o ECO noticiou, o executivo recebeu mais de 250 propostas sobre medidas para simplificar e desburocratizar a Administração Pública portuguesa. Consulte este artigo para conhecer outras medidas incluídas no programa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Serviços do Estado disponíveis no seu comando da TV

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião