PCP sem pressa para discutir OE2018

  • ECO
  • 5 Julho 2017

Comunistas criticam a pressa do Bloco de Esquerda em querer negociar o Orçamento do Estado. João Oliveira diz que "é preciso apurar responsabilidades políticas e criminais" no caso de Tancos.

“É melhor não fazer discussões à pressa, com maus resultados”, diz taxativo o líder parlamentar do PCP relativamente à negociação do Orçamento do Estado para 2018. João Oliveira, em entrevista à TSF, defende que “é preciso colocar cada coisa no tempo e no espaço adequado”, contrariando assim a posição assumida pelo Bloco de Esquerda que quer acelerar esta discussão.

“Se há vantagem em começar a fazer a discussão mais cedo, é obvio que há se é se é possível concluir antes de agosto é claramente impossível”, afirma o responsável respondendo assim às declarações de Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, no dia anterior, também aos microfones da TSF, onde defendeu que o partido gostaria de arrumar os temas quentes, como os escalões de IRS ou a integração de precários na Função Pública, antes do verão.

"Se há vantagem em começar a fazer a discussão mais cedo, é obvio que há se é se é possível concluir antes de agosto é claramente impossível.”

João Oliveira

Líder da bancada comunista

“É preciso colocar cada coisa no tempo e no espaço adequado. É preferível termos uma discussão feita de forma mais demorada com boas conclusões do que feita à pressa mas com más decisões”, disse ainda João Oliveira, precisando que para o PCP não existem questões propriamente novas para discutir no âmbito do OE2018. O partido considera que ainda não foram feitos avanços suficientes em termos de política fiscal e de recuperação de rendimentos e essas são áreas onde é preciso continuar a insistir.

"É preciso colocar cada coisa no tempo e no espaço adequado. É preferível termos uma discussão feita de forma mais demorada com boas conclusões do que feita à pressa mas com más decisões.”

João Oliveira

Líder da bancada comunista

Quanto aos temas da atualidade, nomeadamente o roubo de armamento de Tancos, João Oliveira defende que “é preciso apurar responsabilidade políticas e criminais”. Na audição do ministro da Defesa, que está agendada para sexta-feira, o PCP espera saber “que condições contribuíram para que o furto pudesse ocorrer com sucesso“.

“Se no apuramento que vier a ser feito da situação, se identificarem responsabilidades diretas deste ministro da Defesa, naturalmente a responsabilidade política deve ser assumida na extensão que se vier a revelar. Mas o que nos parece mais relevante é considerar as opções políticas que apontem um caminho alternativo”, disse o líder parlamentar do PCP, com muita cautela.

"Se no apuramento que vier a ser feito da situação, se identificarem responsabilidades diretas deste ministro da Defesa, naturalmente a responsabilidade política deve ser assumida na extensão que se vier a revelar.”

João Oliveira

Líder da bancada comunista

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PCP sem pressa para discutir OE2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião