Costa mantém confiança no ministro da Defesa

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Julho 2017

O primeiro-ministro falou pela primeira vez ao país sobre o assalto à base militar de Tancos e reafirmou a confiança em Azeredo Lopes.

O primeiro-ministro falou pela primeira vez ao país sobre o assalto à base militar de Tancos, tendo reafirmado a confiança no ministro da Defesa, Azeredo Lopes, e elogiado o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, o general Pina Monteiro.

“O ministro da Defesa tem toda a minha confiança”, afirmou António Costa. “Exerceu as suas funções como é devido”, justificou. Os votos de confiança foram também estendidos a todas as chefias militares, com o primeiro-ministro a reiterar que o Governo confia “nos seus comandos”.

Numa altura em o Executivo está sob ataque não só devido ao assalto de Tancos, mas também pela tragédia de Pedrógão Grande, que resultou na morte de 64 pessoas, António Costa aproveitou para agradecer “a hombridade com que as Forças Armadas assumiram as responsabilidades nesta matéria”.

Material roubado ia ser abatido

O chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), o general Pina Monteiro, divulgou as conclusões da análise ao material roubado, cujo valor rondará os 34 mil euros. Para além disso, segundo Pina Monteiro, o material roubado “não pode ser utilizado com eficácia”, visto que “estava selecionado para ser abatido”.

“Depois de levar um soco no estômago, já tirámos as lições”, assumiu o general Pina Monteiro. “Estamos direitos e prontos para assegurar a confiança dos portugueses nas Forças Armadas.”

"Depois de levar um soco no estômago, já tirámos as lições. Estamos direitos e prontos para assegurar a confiança dos portugueses nas Forças Armadas.”

General Pina Monteiro

CEMGFA

O CEMGFA concluiu com a garantia de que vão ser tomadas as medidas “a médio e longo prazo” para que um golpe deste género não volte a acontecer, sendo que não as pode enumerar para não dar informações a possíveis criminosos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa mantém confiança no ministro da Defesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião