Em três anos, EUA serão os maiores exportadores de petróleo

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Julho 2017

Com os cortes da OPEP e o aumento da produção interna, os Estados Unidos da América estão a caminhar para a liderança nas exportações de petróleo. Poderá chegar ao topo em 2020.

Se atualmente são os países que fazem parte da Organização de Produtores e Exportadores de Petróleo (OPEP) que ocupam os lugares cimeiros na lista de exportadores de crude, este cenário poderá mudar nos próximos três anos. Previsões da PIRA Energy apontam para que o número de barris de petróleo exportados diariamente pelos EUA mais que quadruplique, ultrapassando assim os volumes exportados pelos 14 países da OPEP.

Uma análise da PIRA Energy, uma empresa de análise dos mercados energéticos, aponta para que, até 2020, os EUA atinjam o montante de 2,25 milhões de barris exportados por dia, sendo que em 2016 exportou 520 mil barris por dia. Para comparação, em 2016 o Kuwait exportou 2,1 milhões de barris por dia e a Nigéria 1,7 milhões.

"Os Estados Unidos vão se tornar um dos 10 países exportadores. Não são membros da OPEP e não vão controlar a produção numa tentativa de manterem os preços elevados. São notícias muito más para a OPEP.”

Gary Ross

Presidente da PIRA Energy

Na base deste fenómeno estarão dois motivos: o acordo da OPEP, que dita a diminuição da produção de petróleo para conseguir uma valorização da matéria-prima que tem negociado muito perto dos 40 dólares, e a expansão da produção norte-americana, que agora não encontra quaisquer obstáculos legais — atualmente já podem exportar petróleo. Com a produção interna a aumentar e os principais concorrentes a serem obrigados a retrair a produção, o caminho fica livre para os EUA assumirem a liderança do mercado petrolífero.

“Os Estados Unidos vão se tornar um dos 10 países exportadores”, reiterou Gary Ross, presidente da PIRA. “Não são membros da OPEP e não vão controlar a produção numa tentativa de manterem os preços elevados. São notícias muito más para a OPEP.”

Para exportar é preciso produzir

Em termos de produção, está também previsto que a quantidade de petróleo extraída diariamente aumente. Segundo o Departamento de Energia dos EUA, em 2017 serão extraídos 9,3 milhões de barris por dia, enquanto em 2018 serão 10 milhões de barris diários.

Os EUA estiveram impedidos de exportar crude durante 40 anos, depois de ter sido assinado em 1975 um decreto em resposta ao embargo da OPEP, que levou os preços a escalar e a economia norte-americana a ressentir-se. Em 2015, o presidente Barack Obama revogou esse decreto e, desde aí, milhares de barris têm saído dos portos norte-americanos para a Europa e a China.

O investimento no setor das energias fósseis tem sido um dos pontos marcantes da administração Trump, que quer que o país prospere nas importações de petróleo e de gás natural e que a indústria do carvão renasça. O objetivo é que os EUA sejam “dominantes e independentes” no que diz respeito à energia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em três anos, EUA serão os maiores exportadores de petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião