CFP queixa-se de falta de informação sobre pensões

O Conselho de Finanças Públicas queixou-se esta quinta-feira relativamente à falta de prestação de informação do Instituto de Informática da Segurança Social.

O Conselho Superior do CFP deliberou na terça-feira tornar público o incumprimento do dever de prestação de informação em tempo oportuno por parte do Instituto de Informática (I.P.) integrado no Ministério da Segurança Social. A decisão foi tornada pública esta quinta-feira no site do Conselho de Finanças Públicas e é um mecanismo previsto nos estatutos da entidade liderada por Teodora Cardoso.

O Conselho de Finanças Públicas acusa o Instituto de Informática de ter “reiteradamente incumprido” a lei que determina que o conselho tem direito ao acesso a toda a informação “de natureza económica e financeira necessária ao cumprimento da sua missão”. A lei refere ainda que todas as entidades públicas estão “obrigadas” a fornecer essa informação de forma atempada, assim como esclarecimentos adicionais.

Caso estes deveres não sejam cumpridos, o Conselho de Finanças Públicas pode determinar tornar público esse incumprimento. “O incumprimento do dever de prestação de informação em tempo oportuno por parte das entidades públicas será objeto de divulgação na página eletrónica do conselho”, lê-se nos estatutos do CFP.

"O incumprimento do dever de prestação de informação em tempo oportuno por parte das entidades públicas será objeto de divulgação na página eletrónica do conselho.”

CFP

Neste caso a entidade liderada por Teodora Cardoso argumenta que não foram fornecidos os dados necessários para “analisar a dinâmica de evolução dos compromissos existentes, com particular incidência nos sistemas de pensões […] incluindo a avaliação das suas implicações na sustentabilidade das finanças públicas”. Ou seja, o CFP queixa-se da falta de informação relativa às pensões, o que prejudica a avaliação do seu potencial impacto nas finanças públicas portuguesas.

"Apesar de repetidamente solicitado por diversos meios e em diferentes momentos, o referido Instituto não cumpre a solicitação de envio mensal de informação relativa a contribuintes e pensionistas.”

CFP

“Apesar de repetidamente solicitado por diversos meios e em diferentes momentos, o referido Instituto não cumpre a solicitação de envio mensal de informação relativa a contribuintes e pensionistas”, reforça a deliberação do Conselho Superior do CFP, referindo que tais dados não estão disponíveis para consulta no portal da Segurança Social. Eis os dados solicitados:

  1. Número de pessoas singulares, respetivo valor de remunerações declaradas, remuneração média mensal e de contribuições pagas, por tipo de qualificação (Total, Trabalhadores por Conta de Outrem, Trabalhadores Independentes, Membros dos Órgãos Estatutários, Serviço Doméstico e Seguro Social Voluntário) e, se disponível, a identificação dos Trabalhadores Bancários e respetivos valores;
  2. Total de pensionistas e novos pensionistas por mês, por regime (Regime Geral, Regime Transitório dos Rurais, Regime Especial de Segurança Social das Atividades Agrícolas, Regime Não Contributivo e Bancários) e novos pensionistas por mês de pensão antecipada por desemprego e de pensão antecipada voluntária.

Também esta quarta-feira o CFP divulgou a análise à execução orçamental do primeiro trimestre deste ano, onde inclui um puxão de orelhas ao Ministério das Finanças. Em causa está a Conta das Administrações Públicas para 2017 final, depois de feitas alterações na Assembleia da República na discussão realizada no final do ano passado — documento que não foi enviado ao CFP. Esse pedido foi feito há mais de seis meses, em janeiro, e reiterado no final de junho. A falta desse documento condicionou a análise, criticou o CFP, dado que “exclui as alterações no debate na especialidade”.

O ECO contactou há momentos o gabinete de imprensa do Ministério da Segurança Social e aguarda resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CFP queixa-se de falta de informação sobre pensões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião