Teodora Cardoso: “Perdão da dívida” não resolve o problema de Portugal

A presidente do Conselho das Finanças Públicas avisa que o problema da dívida em Portugal não se resolve nem com um perdão nem com "políticas que apenas olhem ao valor do défice orçamental".

“Portugal está inevitavelmente confrontado com a exigência de ajustar o seu quadro institucional”. A frase é de Teodora Cardoso na publicação “A Política Orçamental no Quadro da Política Económica” divulgada esta quinta-feira. Na opinião da presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), o país não resolve o seu problema estrutural com um perdão de dívida, o que só iria adiar o ajustamento necessário. Teodora Cardoso argumenta que as necessidades de financiamento externo continuariam e que a confiança dos credores e da banca ficaria em causa.

É uma inovação do Conselho de Finanças Públicas: esta quinta-feira a entidade iniciou uma nova série de publicações com um trabalho da própria presidente. Estas novas publicações visam “desenvolver o tratamento de temas que, mesmo não sendo específicos da política orçamental, se tornaram em condicionantes cada vez mais incontornáveis da sua eficácia”, explica o organismo em comunicado. A publicação de Teodora Cardoso incide sobre a necessidade de uma nova política económica e orçamental, recordando a entrada de Portugal na zona euro.

A presidente do CFP classifica a integração no euro de “um novo choque” que incidiu sobre a economia portuguesa que “pareceu resolver os problemas, na medida em que o acesso a financiamento externo sem risco de câmbio, em paralelo com a descida das taxas de juro, forneceu um novo fôlego financeiro, partilhado pelo setor privado”. Contudo, na análise de Teodora Cardoso, essa folga foi utilizada para dar prioridade ao crescimento de curto prazo, ignorando as políticas estruturais para aumentar a competitividade e a produtividade da economia. E foi a entrada na zona euro que permitiu um grau de endividamento face ao exterior “que antes teria sido impossível atingir”.

“O endividamento do setor privado cresceu, de facto, rapidamente, mas dirigido fundamentalmente ao financiamento dos setores não transacionáveis, enquanto o défice externo se ampliava e a dívida externa crescia”, descreve o documento, referindo que a competitividade estrutural da economia “só marginalmente beneficiou” dessa folga. Como resultado, a economia “quase estagnou”, o emprego caiu e os rácios de endividamento atingiram “máximos históricos”. É neste enquadramento que a economia portuguesa mostra a sua “vulnerabilidade” quando é atingida pela crise financeira internacional.

Chegados à situação atual, Teodora Cardoso considera que “mesmo uma qualquer forma de perdão da dívida também não resolveria o problema“, dado que essa redução “apenas adiaria o ajustamento e o tornaria ainda mais difícil”. Na análise da presidente do CFP, as necessidade de financiamento externo continuariam a existir e eram criados dois problemas: um relativo à desconfiança dos credores externos e outro relativo à solidez do setor bancário nacional. O documento explica que é preciso fazer um reenquadramento institucional “adequado” e “correspondente reformulação da política económica”.

“Portugal está inevitavelmente confrontado com a exigência de ajustar o seu quadro institucional e os correspondentes mecanismos de governança”, conclui Teodora Cardoso. Tendo sido “incapaz de aproveitar os choques positivos para introduzir e consolidar as reformas necessárias”, Portugal ficou destinado a um “excesso de endividamento” e a “resultados medíocres em matéria de crescimento económico e de emprego”. “É desse ajustamento e do seu impacto na economia que depende a solução do problema da dívida e não da redução forçada desta nem de políticas que apenas olhem ao valor do défice orçamental“, aconselha a presidente do Conselho das Finanças Públicas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teodora Cardoso: “Perdão da dívida” não resolve o problema de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião