Centeno descarta renegociação da dívida apesar da saída do PDE

Ministro das Finanças aproveitou o palco da Bloomberg TV para reforçar confiança dos investidores em relação a Portugal. Governo continua comprometido com redução da dívida.

Mário Centeno falou à Bloomberg TV durante dez minutos.Bloomberg TV

A recomendação de Bruxelas para a saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) significa que o Governo está em posição para pedir uma renegociação da dívida? Questionado pela Bloomberg TV, Mário Centeno descartou liminarmente esse cenário e aproveitou para reafirmar o compromisso do país com os seus credores.

“Estamos claramente comprometidos com os participantes do mercado no cumprimento de todos os requisitos e compromissos que fizemos em termos de redução da dívida, de consolidação orçamental, e de processo de reformas”, declarou o ministro das Finanças em entrevista à televisão daquela agência norte-americana.

“Isto está a compensar de várias formas. Não só na estabilidade do nosso setor financeiro, nos resultados que temos tido na consolidação orçamental. Temos números muito bons em 2016. Até agora, 2017 está totalmente alinhado com os nossos objetivos, que passa por atingir um défice de 1,5% do PIB. Mas também na atividade económica“, salientou Centeno a partir de Bruxelas, onde se encontra no âmbito das reuniões do Eurogrupo.

Durante a entrevista que durou cerca de dez minutos, o responsável português salientou por várias vezes o compromisso que o Executivo deseja manter em relação “à trajetória orçamental muito rigorosa” e ao foco no crescimento económico. Tudo para investidor ver e crer.

“Queremos alargar o número de agentes que compre a nossa dívida. Queremos reforçar a nossa confiança quanto à trajetória económica de Portugal”, frisou Centeno.

Sobre o crescimento económico, questionado se iria rever em alta as projeções para o crescimento em 2017 — previsões apontam para uma expansão do PIB de 1,8% –, o responsável pela pasta das Finanças adiantou que “oficialmente” não irá alterar as perspetivas. “Mas estamos a olhar certamente para números melhores do que o esperado”, frisou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno descarta renegociação da dívida apesar da saída do PDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião