Portugal saiu do PDE. E o que ganho eu com isso?

  • Margarida Peixoto e Cristina Oliveira da Silva
  • 23 Maio 2017

Famílias, empresas e Estado saem beneficiadas com a retirada de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Saiba como.

Demorou sete anos, sete meses e 15 dias, mas chegou: a Comissão Europeia recomendou esta segunda-feira a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Mas, na prática, o que é que isso significa? O que é que as famílias, as empresas e o próprio Estado têm a ganhar com isso? O primeiro impacto desta notícia reflete-se sobretudo na imagem do país. Mas podem ser esperadas algumas consequências mais práticas. O ECO explica.

Famílias

Para os cidadãos, o impacto é indireto. Porém, vale a pena sublinhar os ganhos potenciais. Desde logo, o Estado fica mais liberto para tomar decisões que possam implicar custos orçamentais. Se forem medidas estruturais — isto é, que aumentem o potencial de crescimento da economia — podem não contar para a meta do défice. Um exemplo são investimentos no sistema educativo, que podem ter custos no curto prazo, mas que deverão representar ganhos no futuro.

“Podemos tomar decisões no futuro que não tomávamos hoje” e “ter custos em termos de reformas que queremos efetuar” que não contam para o défice”, sublinhou na segunda-feira o comissário para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

Visto de outra perspetiva, também quer dizer que o Governo ganha margem orçamental e argumentos para reduzir impostos ou repor rendimentos por outra via. Aliás, o Bloco de Esquerda já aproveitou a oportunidade para dizer que “sair do PDE é importante para investir na economia e nas pessoas.”

Outro ganho indireto é o que resulta do incentivo ao crescimento económico que esta saída do PDE poderá representar. O aumento da confiança em Portugal poderá dinamizar a economia e, por consequência, o emprego.

Empresas

As empresas poderão vir a beneficiar de melhores custos de financiamento. Este é um efeito de segunda ordem do ganho que é expectável que tanto o Estado como os bancos venham a ter pela saída do PDE. “Ter finanças públicas sãs, com níveis que permitam progressivamente ir diminuindo a dívida pública, é muito importante para a estabilidade económica do país. Principalmente, para que haja uma convicção da parte de quem nos traz capitais, nomeadamente os investidores em dívida pública portuguesa mas não só, de que a trajetória está na direção certa e de que os níveis de risco estão progressiva e lentamente a diminuir”, explicou Francisco Lacerda, presidente da Cotec, ao ECO.

Para as empresas, esta é uma oportunidade de verem o seu acesso ao mercado de capitais e ao crédito bancário melhorar de condições. “O custo da dívida pública condiciona toda a dívida e capitais próprios, as exigências de rentabilidade em ações, que são incorporadas nos modelos de avaliação de ações”, assegura ainda Francisco Lacerda.

O presidente executivo do BCP, Nuno Amado, acredita que as agências de rating poderão alterar a sua avaliação do país se a economia continuar a crescer e o caminho de desendividamento perdurar. A melhoria do rating da República pode refletir-se no rating atribuído às maiores empresas — desde logo, bancos — cuja notação está limitada pela atribuída à dívida soberana.

Estado

É para o Estado que os ganhos são mais diretos. A retirada do país do PDE é um sinal para os investidores em dívida pública portuguesa de que o país vai no caminho do desendividamento. Isto ajuda a reduzir os custos de financiamento da República, conforme sugeriu a queda dos juros no mercado secundário logo depois do anúncio.

A imagem do país fica credibilizada, conforme sublinhou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral: Portugal tem “a confiança das instituições europeias plenamente reconhecida.” Também o comissário Carlos Moedas disse que “a Europa olha para Portugal como um país robusto que cumpre.” Com isso, o país ganha acesso a mecanismos de flexibilidade das regras orçamentais comunitárias, que o ECO já explicou aqui.

Com esta confiança acrescida e a melhoria da imagem do país, Portugal poderá ver o rating a República melhorar — um ponto importante para cativar financiamento para o Estado e investimentos no país.

Contudo, a DBRS frisou ao ECO que não basta sair do PDE para ver já a notação de crédito subir. “São necessárias mais reformas e mais investimento”, disse Fergus McCormick.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal saiu do PDE. E o que ganho eu com isso?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião