Nuno Amado acredita em alteração do rating se economia crescer e endividamento cair

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 22 Maio 2017

Saída do PDE é uma boa notícia mas é preciso pensar no futuro, diz o presidente executivo do BCP.

O presidente executivo do BCP entende que as agências de rating poderão alterar a avaliação sobre o país se a economia continuar a crescer e, ao mesmo tempo, o endividamento público encetar uma trajetória clara de redução.

À margem da conferência do Millennium bcp “Crescimento da Economia Portuguesa – Mitos e Realidades”, Nuno Amado afirmou que a saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos atribui “não só a nível de reputação, mas a nível prático, um grau de liberdade e vantagens” que serão “relevantes”. E salientou que isso aconteceu “depois de um esforço enorme” de todos, incluindo dos governos “pós-início da intervenção troika”.

Portanto, “é um dia bom para todos nós”, notou Nuno Amado, deixando porém a mensagem de que é preciso pensar no futuro. Para o presidente da Comissão Executiva do Millennium bcp, o “próximo passo” determinante para o país, e que permitirá gerar uma “rede de segurança adequada para todos”, é trabalhar para continuar “uma melhoria sustentável do produto e uma redução da dívida por forma a que as entidades de rating possam, numa segunda fase, alterar a sua avaliação sobre o país”, frisou.

Nuno Amado não quer antecipar se isso acontecerá já este ano, mas entende que tal depende do desempenho do país. “Se este ano o produto continuar a crescer a um nível mais elevado do que era a perspetiva inicial das entidades internacionais — e a probabilidade é grande que isso aconteça — em simultâneo com o início de uma redução clara do sentido do endividamento da dívida pública, eu creio que ficarão claras as condições para que possa haver essa redução e seria possível fazê-lo este ano”, disse.

“Mas não creio que se houver só uma das condições sem a outra, seja fácil isso acontecer e portanto repito, sem ser uma empresa de rating mas dialogando com elas, entendo que essas duas condições são essenciais e portanto é necessário percebermos que esse caminho é possível mas ainda vai demorar algum tempo, e a dívida tem que começar a descer”, adiantou Nuno Amado. O presidente do BCP apontou então para uma trajetória consistente de descida da dívida, “durante dois, três trimestres”.

“Se a dívida pública diminuir ou começar a diminuir, as condições para uma melhoria do rating, que é essencial, estão feitas”, notou.

Para Nuno Amado, o Governo tem agora de “orientar os instrumentos públicos, que têm que ser muito inferiores aos do passado, para as áreas com maior eficiência para a economia” e não pode “aumentar a despesa pública novamente depois deste esforço” que foi feito.

Questionado sobre o diploma que, de acordo com o secretário de Estado Rocha Andrade, vai permitir aos bancos abater ao IRC as perdas pelo reconhecimento de imparidades, Nuno Amado não se pronunciou, indicando que ainda não conhece o diploma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Amado acredita em alteração do rating se economia crescer e endividamento cair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião