Weidmann à frente do BCE? “Mais importante são as políticas”, diz Centeno

Para Centeno, mais importante do que discutir nomes para suceder a Mario Draghi, é manter o Banco Central Europeu como importante dinamizador da economia da zona euro.

“Não é tão importante o nome, mas antes as políticas”. Foi esta a resposta do ministro das Finanças português, Mário Centeno, em declarações à Bloomberg TV, questionado sobre a notícia de que o Governo alemão pretende Jens Weidmann, presidente do Bundesbank, para suceder a Mario Draghi na liderança do Banco Central Europeu (BCE).

“O senhor Weidmann é claramente um nome forte no setor bancário e financeiro na Europa. Não vejo qualquer problema”, declarou o ministro português. “Mas queremos que as políticas sejam discutidas. (…) Penso que é muito importante manter o papel do BCE enquanto instituição importante para uma economia como a da zona euro”, reforçou Centeno.

Notícias do fim de semana adiantaram que Merkel e Schäuble, chancheler e ministro das Finanças da Alemanha, estão prontos para apoiar Weidmann a assumir a posição de referência no banco central do euro. O mandato de Draghi termina dentro de dois anos e meio, em outubro de 2019.

Apesar de ainda nem sequer ter sido iniciado o processo de escolha de um sucessor do italiano, o futuro nome do presidente do BCE deverá implicar uma intensa negociação política no seio da região.

Mario Draghi tem adotado uma política monetária altamente expansionista, com juros zero e um programa de compras de dívida alargado para estimular a economia do bloco da moeda única. Ainda assim, numa altura em que a inflação começa a dar sinais de subida, têm subido de tom as críticas da Alemanha em relação ao caminho seguido pelo banco central.

Por várias vezes os responsáveis da maior economia da Europa têm pedido o fim dos estímulos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Weidmann à frente do BCE? “Mais importante são as políticas”, diz Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião