Centeno mantém a porta aberta à presidência do Eurogrupo

O ministro das Finanças Mário Centeno não descarta a hipótese de se sentar na cadeira de Jeroen Dijsselbloem como novo presidente do Eurogrupo, avançou a CNBC.

Mário Centeno mantém a porta aberta no que toca a ser o próximo presidente do Eurogrupo, um rumor que tem circulado nos últimos meses. À entrada da reunião desta segunda-feira, o ministro das Finanças português reconheceu que tem assuntos por concluir em Lisboa, mas reiterou que “não são necessariamente” assuntos seus.

Questionado pela CNBC sobre se prefere a gastronomia de Bruxelas à de Lisboa, Mário Centeno respondeu: “A comida em Lisboa é muito melhor mas, de qualquer modo, não vou ficar sem ela”. Face às declarações, na interpretação do canal norte-americano, Centeno deixa em aberto a hipótese de aceitar o cargo de presidente do Eurogrupo, mantendo-se como ministro em funções. Sobre isso, Centeno disse que o Eurogrupo decidirá “quando chegar o momento”. “É uma decisão a ser tomada pelos 19 membros do Eurogrupo”, sublinhou.

Mário Centeno disse também acreditar que a saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) dará uma ajuda nas discussões com as três agências de rating que atribuem o nível de lixo à dívida pública portuguesa. “Não sei se é uma surpresa ou não, mas este passo, a saída do PDE, é um muito importante no sentido de melhorar os ratings“, referiu o ministro. Centeno explicou que as agências diziam estar à espera da Comissão, e que a Comissão dizia estar à espera das agências, criando um impasse que, agora, poderá ver um desbloqueio.

O ministro das Finanças falou ainda de como a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos não terá impacto estatístico na economia, pois os quatro mil milhões de euros não foram considerados ajuda de Estado ao abrigo de uma decisão da Comissão Europeia. “Não esperamos que tenha impacto no défice”, disse Centeno. Recorde-se que as estimativas de crescimento económico de 1,5% para este ano não incluem a recapitalização do banco público.

(Notícia atualizada às 16h51 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno mantém a porta aberta à presidência do Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião