Incêndios: Há que ter a “humildade” de corrigir os erros

  • Lusa
  • 15 Julho 2017

O secretário-geral do PS, António Costa, afirma que o país está melhor em termos económicos, mas há que ter a humildade de corrigir os erros cometidos, numa alusão à questão dos incêndios.

O secretário-geral do PS, António Costa, afirma que o país está melhor em termos económicos, mas há que ter a humildade de corrigir os erros cometidos, numa alusão à questão dos fogos florestais.

“Hoje o nível de confiança dos consumidores está ao nível mais alto de sempre. E essa confiança é um bem fundamental. Mas o facto destes dados serem bons e demonstrarem que o país está melhor, não pode fazer com que percamos a humildade de saber que, mesmo quando o pais está melhor, há erros que se cometem e há que ter a humildade de os saber corrigir”, refere.

Discursando em Fafe, na apresentação do candidato do PS à câmara local, o líder socialista acrescentou que, “mesmo quando o país está melhor, há sempre imprevistos, há que ter a humildade de saber enfrentar. Mas quando esses imprevistos surgem, a atitude correta não é a de demissão, a atitude correta é a determinação para os enfrentar e para o vencer”.

Para António Costa, as prioridades face às “situações dramáticas das últimas semanas” são “socorrer quem precisa de socorro, apurar todas as responsabilidades para que tudo fique esclarecido, reconstruir aquilo que é necessário reconstruir, mas, sobretudo, evitar que isto volte a acontecer, porque não podemos aceitar que isto volte a acontecer”.

O secretário-geral do PS disse, também, que o que é necessário é “resolver os problemas” e não “aproveitar politicamente dos problemas”.

Em entrevista à RTP, na sexta-feira à noite, o secretário de Estado da Coesão e Desenvolvimento, Nelson Souza, afirmou que “até final de julho” as verbas doadas pelos portugueses chegarão às vítimas dos incêndios. “São dinheiros mais do que públicos, são dinheiros doados pelos portugueses”, disse, no mesmo dia em que o líder do PSD acusou o Governo de incompetência na distribuição de fundos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Há que ter a “humildade” de corrigir os erros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião