Universidade Nova é a única portuguesa no top 50 das sub-50

  • ECO
  • 16 Julho 2017

A consultora britânica Quacquarelli Symonds destaca a Universidade Nova de Lisboa pela reputação junto dos empregadores e pela internacionalização dos docentes.

A Universidade Nova de Lisboa melhorou a sua posição no ranking “QS Top 50 under 50“, elaborado pela consultora britânica Quacquarelli Symonds (QS), que elege as melhores universidades com menos de 50 anos. A única universidade portuguesa no ranking para o 41.º lugar e destaca-se pela internacionalização de docentes e pelo número de professores por aluno.

“Estes resultados confirmam, pelo quinto ano consecutivo, a qualidade crescentemente reconhecida à Nova, apesar da sua juventude, e nas suas várias dimensões, tanto pela comunidade académica como pelo mercado de trabalho, e tanto em Portugal como no estrangeiro”, afirma o reitor da Universidade Nova, António Rendas, em comunicado.

A reputação junto de empregadores e reputação académica foram os critérios que registaram maiores subidas no ranking deste ano. A nível nacional, a UNL destaca-se no rácio de professor por aluno, ficando 76% acima da média das universidades portuguesas. Também é líder na internacionalização do corpo docente, o que posiciona a universidade como atrativa para docentes e investigadores estrangeiros.

O QS Top 50 under 50 é “considerado um dos mais importantes rankings para universidades mundiais com menos de 50 anos”, revela a universidade. Contudo, a nível global e sem limite de idades, a consultora britânica Quacquarelli Symonds pôs a Universidade do Porto à frente da Universidade Nova de Lisboa, em 301.º e 361.º lugares, respetivamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidade Nova é a única portuguesa no top 50 das sub-50

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião