Quer ter milhões de seguidores? Esta universidade ensina como

  • Juliana Nogueira Santos
  • 20 Junho 2017

O marketing de influência é uma área em crescimento e a Yiwu Industrial & Commercial College, na China, já está a formar profissionais.

Com o aumento de popularidade de diversas personalidades da internet, quer sejam elas bloggers, youtubers, ou snapchatters, há cada vez mais jovens a quererem seguir as pisadas dos seus ídolos e a arriscarem nesta nova indústria que gera milhões. A pensar nestes, uma universidade chinesa criou um plano curricular direcionado para pessoas que querem alcançar a fama através da internet.

A Yiwu Industrial & Commercial College incluiu no currículo do curso de Manequim e Etiqueta competências como conhecer a fundo as várias marcas de roupa e acessórios, conhecer e por em prática as mais recentes tendências da moda, maquilhar e saber como agir em frente às câmaras. Tudo isto para que os alunos, a maioria deles do sexo feminino, se tornem influenciadores digitais.

Inspirado nas influenciadoras chinesas que partilham com milhões e milhões de seguidores os seus rituais diários, as suas preferências de roupa, maquilhagem e lifestyle, este fenómeno tem já direito a um nome: wanghong. Uma das alunas falou à Agência France Press (AFP) e confessou que trocou o seu futuro como contabilista para ser wanghong devido a um sonho de infância. “Sempre tive a ideia, o sonho de estar em palco com as luzes apontadas para mim e o público a observar-me”, afirmou Wang Xin, de 20 anos.

Ainda assim, o gosto pelo mundo do espetáculo não é a única coisa que move os aspirantes a wanghong. Os influenciadores são um instrumento de marketing fulcral para as empresas que têm nos jovens uma parte importante do seu público-alvo. Para chegar a estes, as empresas fornecem produtos e serviços sem qualquer custo aos influenciadores, para que estes os possam mostrar nos seus vídeos, publicações ou snaps.

Segundo um estudo da consultora Analysys International, citado pela AFP, a industria do marketing de influência em território chinês fechou o ano de 2016 a valer cerca de 7,7 mil milhões de dólares, prevendo-se que este valor duplique em 2018. A wanhong mais famosa chama-se Jiang Yilei e, devido ao seu “exército” de 23 milhões de seguidores, já conseguiu fechar patrocínios com marcas tão diversas como a New Balance e a Jaeger-LeCoultre.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer ter milhões de seguidores? Esta universidade ensina como

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião