Um mês depois do incêndio de Pedrógão, PSD quer ouvir MAI, Cristas fala em incompetência

  • Lusa e ECO
  • 17 Julho 2017

PSD acusa o Governo de "incúria, desleixo e irresponsabilidade". CDS fala num Executivo "incompetente, que não assume a sua responsabilidade".

Um mês depois dos incêndios de Pedrógão Grande, o PSD exigiu esta segunda-feira a presença “com a máxima urgência” da ministra da Administração Interna no Parlamento, para explicar “o que foi feito” para colmatar as falhas verificadas, perante novos problemas detetados em Alijó. Já a presidente do CDS acusou o Governo de incompetência na gestão dos incêndios, apontado falhas reiteradas no SIRESP e o atraso na chegada das doações solidárias às populações.

Em conferência de imprensa no Parlamento, o vice-presidente da bancada social-democrata Carlos Abreu Amorim afirmou que o PSD teme “que tenha sido feito muito pouca coisa perante as falhas” detetadas no domingo no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) no incêndio de Alijó (Vila Real).

“Um mês depois, o PSD quer saber o que é que o Governo fez para colmatar lacunas na prevenção e combate aos incêndios florestais”, adiantou ainda, exigindo explicações de Constança Urbano de Sousa sobre o que foi feito “para tranquilizar as populações” e para que “os apoios sociais e a ajuda necessários” cheguem às populações afetadas.

No dia em que se assinala um mês sobre a tragédia dos incêndios da zona centro, que fizeram 64 mortos e mais de 200 feridos, o PSD acusou o Governo de “incúria, desleixo e irresponsabilidade”.

Já a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou o Governo de incompetência na gestão dos incêndios. “Um mês depois da tragédia de Pedrógão, o que nós vemos é um Governo incompetente, que não assume a sua responsabilidade, é uma ministra da Administração Interna que não é capaz de evitar novas falhas no SIRESP”, afirmou Assunção Cristas.

A líder centrista afirmou que no incêndio em Alijó, que deflagrou no domingo, o sistema voltou a falhar e, por outro lado, apontou falhas na “chegada das ajudas, do dinheiro que solidariamente foi dado por todos os portugueses, às populações”.

“Hoje passou um mês e ainda não chegou dinheiro nenhum”, declarou aos jornalistas antes de uma visita ao Centro Social da Musgueira, em Lisboa, na qualidade de candidata à Câmara de Lisboa.

A presidente do CDS-PP insistiu ainda na necessidade da demissão da ministra da Administração Interna: “Entendemos que, enquanto a ministra da Administração Interna lá continuar, não há autoridade e não há medidas concretas e eficazes no terreno”.

“Sabemos que azares acontecem, mas não pode haver repetições e o que vemos nesta falha do SIRESP é um sistema que não está a funcionar. Pergunto, o que é que a ministra da Administração Interna está a fazer? Este é um sistema gerido pela secretaria-geral da Administração Interna”, questionou.

Marcelo Rebelo de Sousa também já deixou uma nota no site da Presidência, relembrando, “um mês depois” da tragédia, “a exigência de apuramento total de factos e de responsabilidades, e de reconstrução imediata, em clima de trégua eleitoral local”. “Sessenta e quatro mortos interpelam-nos, exigindo verdade, convergência e reconstrução, com a humildade de assumirmos que os poderes públicos não corresponderam às expectativas neles depositadas”, diz.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um mês depois do incêndio de Pedrógão, PSD quer ouvir MAI, Cristas fala em incompetência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião