Bruxelas analisa pedido português ao Fundo de Solidariedade

  • Marta Santos Silva
  • 18 Julho 2017

Se o Fundo não chegar, a Comissão está aberta a outras hipóteses, disse ainda a comissária europeia para a Política Regional Corina Cretu.

A Comissão Europeia já está a analisar o pedido português ao Fundo Europeu de Solidariedade. A comissária europeia para a Política Regional, Corina Cretu, disse esta terça-feira que o pedido foi recebido e está a ser estudado, mas não avançou para já valores, assinalando no entanto que existem soluções caso o Fundo de Solidariedade não seja suficiente.

“Ontem [segunda-feira] recebemos a candidatura de Portugal para o Fundo de Solidariedade, por isso começámos hoje a analisá-lo”, afirmou Corina Cretu em esclarecimentos aos jornalistas. “Vamos ter de ver quais são os custos incluídos e se são tecnicamente elegíveis”, acrescentou.

A comissária disse ainda que Bruxelas está “em contacto próximo com as autoridades portuguesas”, com equipas no terreno, para que haja “ajuda quanto antes”. Sublinhou que, “se este fundo de solidariedade não chegar, estou aberta, e já o disse às autoridades europeias, a alterar rapidamente programas se for necessário”. Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas, também já disse que a opção de alterar programas operacionais está a ser equacionada.

Corina Cretu deixou também uma palavra de agradecimento aos bombeiros, “que estão atualmente a combater os fogos em Portugal e também no Sul de França, um exemplo de coragem para todos”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas analisa pedido português ao Fundo de Solidariedade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião