Consultora McKinsey considera que trabalhava para Domingues

  • Lusa
  • 20 Julho 2017

Não havia contrato, mas a McKinsey confirma a versão do Governo de que trabalhava para Domingues, ainda que tenha sido a CGD a pagar a fatura. A consultora esteve presente em reuniões com Bruxelas.

A consultora McKinsey, que apoiou a elaboração do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD), considera que “a contraparte dos trabalhos” que realizou e o seu único interlocutor foi o ex-presidente do banco público, António Domingues. Durante as audições da segunda comissão de inquérito sobre a CGD, este foi um dos pontos de discussão, com o Governo a remeter a responsabilidade da contratação da consultora e de um escritório de advogados para Domingues.

Por seu lado, o anterior presidente da Caixa, embora admitindo as contratações, defendeu que só as fez porque o Governo o convidou para dirigir o processo de recapitalização da Caixa. “Não trabalharam para mim no sentido em que eu não precisaria deles se o Governo não me tivesse convidado para a recapitalização da Caixa”, afirmou na terça-feira António Domingues, admitindo, contudo, que não foi feito qualquer contrato que o referisse explicitamente.

Em resposta a perguntas formuladas pelos grupos parlamentares do PSD e do BE, a que a Lusa teve acesso, a consultora refere que foi contratada por António Domingues em abril do ano passado e que “de forma alguma” estaria acordado que seria a CGD a pagar os seus serviços (que ascenderam a 960 mil euros), como acabou por acontecer.

“Na perspetiva da McKinsey, a contraparte dos trabalhos em questão era o dr. António Domingues”, referem, confirmando que não foi realizado qualquer contrato. Quanto ao pagamento, a consultora diz que “reconhecida a importância crítica da colaboração, a McKinsey assumiu-a com plena consciência de que poderiam “não existir condições futuras para faturação parcial ou total dos seus honorários”.

O trabalho de assessoria da consultora incidiu no apoio à elaboração do plano estratégico da CGD. No âmbito deste trabalho, a McKinsey garante que apenas se reuniu com António Domingues e que só para a apresentação do plano teve contacto com a administração do banco público, já em setembro. Questionada se manteve reuniões com alguns representantes do Ministério das Finanças, a McKinsey disse ter participado em “algumas reuniões técnicas com a DGComp” (Direção Geral da Concorrência), que eram coordenadas por esse Ministério.

A consultora garante ainda que os trabalhos que realizou se apoiaram “exclusivamente em informação pública e em informação financeira de natureza agregada prestada pelo Dr. António Domingues via Ministério das Finanças”.

A segunda comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos concluiu na terça-feira as audições e o projeto de relatório deverá ficar concluído até final de julho, mas as conclusões poderão apenas ser aprovadas na próxima sessão legislativa. Esta comissão parlamentar de inquérito tem por objeto apurar a atuação do Governo na nomeação, gestão e demissão da anterior administração do banco público.

Um dos pontos centrais desta comissão de inquérito, pedida potestativamente (de forma obrigatória) por PSD e CDS-PP, era apurar se “é verdade ou não que o ministro [das Finanças] negociou a dispensa da apresentação da declaração de rendimentos [de António Domingues]”, o que foi sempre negado pelo Governo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consultora McKinsey considera que trabalhava para Domingues

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião