Catarina Martins apela a Governo para acabar com a “selvajaria laboral da Altice”

  • Lusa
  • 21 Julho 2017

Catarina Martins apelou hoje ao Governo para que acabe "com a selvajaria laboral que a Altice quer impor para despedir trabalhadores", acusando a empresa de estar a "tentar dobrar a lei".

“O Bloco de Esquerda já apresentou uma proposta na Assembleia da República que pode parar estes despedimentos, mas achamos que o Governo deve atuar já, até porque o pode fazer de forma mais rápida que o parlamento”, afirmou Catarina Martins, em declarações aos jornalistas.

Falando à margem da visita que efetuou a uma empresa de Fafe do ramo metalúrgico, a líder do BE afirmou que os trabalhadores da PT Altice “estão também a lutar para que a selvajaria laboral que a Altice quer impor no nosso país não vá para a frente”.

Para Catarina Martins, se a Altice conseguir “fazer os despedimentos desta forma, então significa que deixa de haver proteção para qualquer trabalhador em Portugal”.

A líder do BE considerou que a Altice está no grupo a que chamou “empresas abutre”.

“São empresas que chegam, compram grandes empresas e depois tentam desfazê-las aos pedaços e ao fazê-lo estão a destruir, não só emprego e direitos, mas também a capacidade produtiva do país”, declarou.

Para a coordenadora do Bloco de Esquerda, “o que a Altice está a fazer não é um despedimento coletivo, conforme prevê o nosso Código do Trabalho”.

“O que a Altice está a fazer é tentar utilizar artifícios legais, que não têm nada a ver com despedimentos, para despedir, está a tentar dobrar a lei. E Portugal tem de ser um país que se leva a sério, não pode permitir que isso aconteça”, disse, insistindo que “a força dos trabalhadores da PT, a coragem que eles estão a demonstrar no dia de hoje, tem de ser acompanhada pela determinação política de travar estes despedimentos”.

Catarina Martins, afirmou que aquela multinacional francesa “pretende passar trabalhadores da PT para outras empresas da Altice, para permitir que sejam despedidos daqui a um ano”, utilizando “mecanismos legais que até serviam, em última análise, para proteger trabalhadores quando uma empresa compra outra, para fazer o contrário, para passar trabalhadores da empresa mais forte para a empresa mais frágil”.

“O que o Governo deve fazer é parar este processo”, reafirmou, recomendando que “o Governo seja bastante atuante e bastante vigilante”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins apela a Governo para acabar com a “selvajaria laboral da Altice”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião