DCIAP tem dez meses para concluir inquérito ao caso dos CMEC

  • ECO
  • 23 Julho 2017

Procuradoria-Geral da Repúplica deu dez meses aos investigadores do DCIAP para concluir inquérito ao caso das rendas da energia. Despacho foi emitido por Marques Vidal a 12 de julho.

A procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, estabeleceu o prazo de dez meses para a conclusão do inquérito ao caso dos contratos energéticos que já constituiu como arguidos, entre outros, os presidentes da EDP e EDP Renováveis, António Mexia e Manso Neto, o antigo líder da REN Rui Cartaxo e ainda o ex-ministro Manuel Pinho.

De acordo com a RTP, esse será o período durante o qual a equipa do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) terá de concluir o inquérito, sendo que o limite poderá ser prolongado se o procurador pedir e justificar a necessidade de extensão das investigações ao caso dos contratos de Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), estabelecidos entre o Estado e a EDP na última década.

“Determina-se o encerramento do inquérito no prazo de dez meses”, diz o despacho emitido pela procurador-geral a 12 de julho e citado pelo canal público. O prazo “só poderá ser progorrado, a título excecional, mediante o requerimento do magistrado titular”, lê-se ainda no mesmo documento.

Em causa neste caso estão suspeitas de corrupção ativa e passiva e participação económica em negócio, no âmbito da introdução de compensações financeiras no setor elétrico nacional no período entre 2004 e 2014, na sequência das buscas judiciais às sedes da REN, EDP e da consultora Boston Consulting Group.

Avança a RTP que até dezembro a procuradora-geral da República terá de ser informada acerca do estado destas investigações e do prazo previsto para a conclusão do inquérito.

A procuradoria “não considera justificada ou necessária, por ora, a adoção de quaisquer medidas de natureza disciplinar ou gestionária” em relação aos prazos do inquérito.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DCIAP tem dez meses para concluir inquérito ao caso dos CMEC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião