Mira Amaral: CMEC pagos à EDP “são excessivos”

  • ECO
  • 17 Junho 2017

Luís Mira Amaral voltou a criticar aquilo que considera ser a rentabilidade "excessiva" dos CMEC, as rendas pagas à EDP. Com os chineses na energética, é "muito mais difícil" renegociar.

Luís Mira Amaral, antigo ministro da Indústria e Energia, voltou a considerar “exagerada” a renda paga pelo Estado à EDP desde 2007 na sequência do fim dos Contratos de Aquisição de Energia com a liberalização do mercado energético. “A rentabilidade que estes contratos deviam ter em 2007 devia ser à volta dos 7,5% e terão na realidade cerca de 14% e este diferencial é o que se chama de renda excessiva”, explicou.

Em entrevista à TSF e Dinheiro Vivo, o ex-governante do tempo em que os CAE foram implementados (1995), recordou que os chamados Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual, vulgo CMEC, “são hoje muito importantes para a EDP porque quando as eólicas entraram em grande na rede, as centrais nos CMEC passaram de trabalhar todo o dia para apenas uma ou duas horas, em apoio às renováveis”.

“Os CMEC são vitais para a EDP nesta fase porque quando a eólica entrou em força, estas centrais, protegidas pelos CMEC, deixaram de render o dia inteiro”, acrescentou Mira Amaral. Algumas dessas rendas já expiraram e a última só deverá acabar em 2027. Recorde-se que o Expresso avançou em junho que o Governo quer recuperar o dinheiro a mais pago à EDP ao longo da última década, até 500 milhões de euros. Sobre isso, o ex-ministro disse achar “curioso” que o caso tenha estado “adormecido” até agora.

Se [os CMEC] estão a dar mais de 14%, então são excessivos.

Luís Mira Amaral

Ex-ministro da Indústria e da Energia

Mira Amaral recusou ainda comentar a investigação ao atual presidente da EDP, António Mexia, por não gostar de “julgamentos em praça pública ou mediáticos”. Sobre o que considera que deveria mudar, apontou desde logo “o custo de oportunidade do capital” que, “segundo estudos, daria 7,5% de rentabilidade”. “Se estão a dar mais de 14%, então são excessivos”, rematou.

Porém, agora que a EDP é uma empresa privada, com capital maioritariamente chinês, Mira Amaral considera que “pode tentar-se negociar” novamente os CMEC “mas não se pode impor”. “É por isso que disse que é muito mais difícil agora do que antes da última fase da privatização. Não é por serem chineses, é por serem acionistas que entraram na empresa e compraram as ações tendo em linha de conta a rentabilidade, excessiva ou não, que lhes foi garantida”, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mira Amaral: CMEC pagos à EDP “são excessivos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião