Centeno: “Portugal efetuou um movimento de viragem impressionante”

A Fitch reviu em alta o outlook da dívida portuguesa e deixa o país perto de sair do "Lixo". Ministério das Finanças diz que resultado é consequência de um "rigoroso controlo da despesa".

“Portugal efetuou um movimento de viragem impressionante alicerçado no crescimento equilibrado e inclusivo”, diz o ministro das Finanças, Mário Centeno, em reação à melhoria da perspetiva da Fitch em relação à dívida pública de Portugal. “Após a deliberação do Conselho da União Europeia, a decisão da Fitch surge em linha com a acumulação de indicadores que atestam a trajetória de melhoria substancial da economia portuguesa”, acrescenta o ministro num comunicado.

Numa nota à comunicação social, remetida pelo Ministério das Finanças, lê-se que a atualização do rating da dívida pública portuguesa para a categoria mais baixa no patamar de investimento “deverá ocorrer mais rápido do que o anteriormente esperado pela maioria dos agentes de mercado”. Isto acontece no mesmo dia em que foi oficializada a saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), após a recomendação da Comissão Europeia nesse sentido.

“A eficácia do esforço orçamental, reconhecida pela Fitch, assenta num controlo rigoroso da despesa, num novo impulso do crescimento, baseado na performance das exportações e do investimento empresarial, bem como no dinamismo do mercado de trabalho”, indica a mesma nota. “Estes são pilares fundamentais de uma estratégia de crescimento inclusivo, garante de uma ampla base de apoio social ao programa de reformas em curso”, conclui o Ministério.

No final desta sexta-feira, a Fitch alterou o outlook do país de “Estável” para “Positivo”, o primeiro passo para a retirada da dívida pública portuguesa do nível especulativo. Isso poderá acontecer em dezembro, quando a Fitch fizer a próxima reavaliação da notação atribuída ao país. Recorde-se que, atualmente, só a agência canadiana DBRS coloca o país na categoria de investimento, premissa necessária para o país poder aceder ao programa de estímulos monetários do Banco Central Europeu (BCE).

(Notícia atualizada às 21h44 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Portugal efetuou um movimento de viragem impressionante”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião