Fitch melhora perspetiva e deixa Portugal perto de sair do “lixo”

Tal como Mário Centeno antecipava, a Fitch melhorou para "positiva" a perspetiva da dívida nacional. Mas será necessário esperar pelo menos até dezembro para uma subida do rating luso.

A Fitch reviu em alta a sua perspetiva para a dívida portuguesa. A agência de notação financeira abre assim a porta à possibilidade de Portugal poder sair do “lixo” nos próximos meses. Apesar de ainda manter a dívida nacional em nível especulativo, a Fitch mudou a sua perspetiva, de “estável” para “positiva”, nesta sexta-feira.

Segundo a Bloomberg, que cita o relatório, o défice de Portugal deverá cair para 1,4% do PIB em 2018. A dívida deverá cair para 126% do PIB no mesmo ano. Até 2026, este valor deverá reduzir-se até aos 111%. Para este ano, a agência de notação financeira diz que o crescimento económico deverá atingir os 2%, desacelerando para 1,6% em 2018.

Os progressos da economia portuguesa começam a ser vistos com melhores olhos pelas agências de notação financeira. Este sinal positivo acontece no mesmo dia em que o Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) formalizou a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo, e em que Mário Centeno previu a possibilidade de uma melhoria da avaliação da dívida nacional pela Fitch.

“Portugal efetuou um movimento de viragem impressionante alicerçado no crescimento equilibrado e inclusivo”, disse o ministro das Finanças em reação a estas informações. “Após a deliberação do Conselho da União Europeia, a decisão da Fitch surge em linha com a acumulação de indicadores que atestam a trajetória de melhoria substancial da economia portuguesa”, acrescentou Mário Centeno.

Apesar deste sinal positivo para os mercados, será necessário esperar até pelo menos ao final do ano para que esta agência de rating possa retirar a dívida soberana nacional do nível de “lixo”. O rating atribuído por esta agência de notação financeira a Portugal, mantém-se em BB+, o primeiro nível de “lixo”. Só a 15 de dezembro, data prevista no calendário da agência de rating para uma revisita à dívida nacional, pode ocorrer uma eventual alteração da classificação da dívida soberana nacional.

Atualmente, apenas a DBRS classifica a dívida nacional com grau de investimento, atribuindo uma classificação de BBB (baixo), com um outlook estável. Já a Moody’s é a próxima agência de rating a rever a avaliação da dívida soberana nacional: a 1 de setembro.

Por tópicos:

  • O outlook atribuído pela Fitch evoluiu de “Estável” para “Positivo”, um primeiro passo para a melhoria da notação dada à dívida pública portuguesa, atualmente no patamar especulativo — vulgo “Lixo”.
  • A agência prevê que a economia portuguesa cresça 2% este ano e desacelere em 2018, altura em que deverá crescer 1,6%.
  • Para a Fitch, a dívida pública portuguesa deverá recuar para 126% do PIB em 2018, e 111% do PIB em 2026.
  • A agência de notação antevê ainda que o défice do país caia para 1,4% em 2018.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch melhora perspetiva e deixa Portugal perto de sair do “lixo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião