DBRS confirma rating da Caixa após recapitalização

Agência canadiana diz que banco público está em melhor posição para cumprir plano estratégico. Mas avisa que vai estar atenta à capacidade da Caixa de reduzir o malparado e voltar aos lucros.

A DBRS confirmou o rating da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no nível BBB (low), na sequência da conclusão do processo de recapitalização. Apesar de considerar que a instituição está em melhor posição para executar o seu plano estratégico, a agência canadiana avisa que vai estar atenta à capacidade do banco público de voltar aos lucros e de reduzir o malparado.

“A confirmação do rating reflete o reforço da posição de capital como resultado da conclusão do processo de recapitalização no final de março. (…) Com esta melhoria no capital e suportada pela recuperação económica incipiente em Portugal, a CGD tem maior flexibilidade para executar o seu plano estratégico”, justifica a DBRS.

A agência diz que vai estar sobretudo atenta ao regresso da CGD ao lucro no negócio doméstico e ainda à melhoria da qualidade dos seus ativos, “através da uma redução material do crédito malparado”.

Como ponto positivo, a DBRS acrescenta ainda que a CGD resolveu definitivamente os seus problemas de corporate governance que surgiram depois da curta e polémica passagem de António Domingues pela liderança do banco público. “A CGD nomeou recentemente novos membros executivos e um novo CEO (Paulo Macedo) que parece estar a executar as prioridades estratégicas, incluindo a recapitalização planeada”, diz a agência.

"A confirmação do rating reflete o reforço da posição de capital como resultado da conclusão do processo de recapitalização no final de março. (…) Com esta melhoria no capital e suportada pela recuperação económica incipiente em Portugal, a CGD tem maior flexibilidade para executar o seu plano estratégico.”

DBRS

Comunicado

Com esta decisão, a DBRS concluiu o processo de revisão que tinha iniciado em novembro do ano passado.

Mantém o rating com tendências negativas porque considera que o plano de negócios apresenta riscos na sua execução. Além disso, “qualquer mudança súbita nas condições económicas ou enfraquecimento da confiança no país e/ou no setor bancário pode dificultar a tarefa da nova equipa de gestão na implementação bem-sucedida do plano estratégico”.

No primeiro trimestre do ano, a CGD recebeu cerca de 3,9 mil milhões de euros do Estado português, através de uma injeção de capital de 2,5 mil milhões, da conversão de 900 milhões de euros dos Cocos recebidos em 2012 e ainda da transferência de 500 milhões da ParCaixa. Além disso, o banco concluiu uma emissão de 500 milhões de euros em instrumentos Additional Tier 1.

(Notícia atualizada às 18h20)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS confirma rating da Caixa após recapitalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião