Os quatro alertas da Fitch

A Fitch reviu em alta o outlook do país, um primeiro passo para que a dívida pública nacional saia do "lixo". Mas isso pode voltar atrás. E vem aí mais pressão política ao Governo de António Costa.

A Fitch reviu em alta o outlook do país de “Estável” para “Positivo”, o primeiro passo para a retirada da dívida pública portuguesa do nível especulativo, vulgo “lixo”. Apesar da notícia positiva para o país, o relatório da agência também tem alguns alertas.

1. Vem aí mais pressão política

A Fitch recorda a redução do défice do país para 2% em 2016 e prevê que o défice possa recuar ainda mais, para 1,4%, já no próximo ano. A justificação são as “despesas correntes contidas” e o “forte crescimento do PIB desde meados de 2016”. A agência vai ainda mais longe e lembra que Portugal saiu finalmente do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) esta mesma sexta-feira.

A agência recomenda que esse caminho continue, mas deixa um recado: com o país fora do PDE, a pressão política dos parceiros que viabilizam este Governo socialista, nomeadamente o PCP e o BE, poderá aumentar. “A estrutura da maioria, que une o Partido Socialista e dois partidos mais à esquerda, expõe o Governo a uma potencial pressão política para aliviar a política orçamental, especialmente depois da saída do PDE”, lê-se no relatório, citado pela Bloomberg.

A estrutura da maioria, que une o partido socialista e dois partidos mais à esquerda, expõe o Governo a uma potencial pressão política para aliviar a política orçamental, especialmente depois da saída do PDE.

Fitch

2. Economia cresce, mas desacelera

A Fitch prevê que a economia portuguesa cresça 2% já este ano, acima dos 1,4% registados em 2016. Ou seja, em 2017 o PIB deverá crescer a um ritmo mais acelerado. Porém, a agência de notação financeira estima que o PIB cresça a um ritmo menos rápido em 2018, mais propriamente 1,6%. É, ainda assim, um crescimento superior ao de 2016, e aos 1,5% registados em 2015.

3. Endividamento é problema, banca é frágil

No relatório, a agência de notação financeira refere que o potencial de crescimento do país é inferior em relação aos pares europeus, um reflexo do “alto endividamento do setor privado” que, em março de 2017, representava 217% do PIB nacional. Ao mesmo tempo, indica-se que os “bancos frágeis” dificultam o investimento. Em relação a este último aspeto, a Fitch não deixa de referir que a liquidez da banca nacional está reforçada depois dos aumentos de capital levados a cabo pelo Estado, na CGD, e também pelo BCP.

4. Outlook pode voltar atrás

A evolução do outlook do país é, como vimos, o primeiro passo para a dívida portuguesa passar à categoria de “investimento”, uma notação que só é atribuída ao país pelos canadianos da DBRS e um fator essencial para o acesso de Portugal ao programa de quantitive easing do Banco Central Europeu (BCE).

No entanto, a agência sublinha dois fatores que podem levar a um retrocesso da perspetiva revista em alta esta sexta-feira. São eles: o Governo falhar os planos de fazer baixar a dívida pública e novos casos de “stress no setor financeiro” que “possam exigir apoio do Estado e que tenham impacto financeiro no crescimento económico do país”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os quatro alertas da Fitch

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião