PIB pode chegar aos 2,5%. É só seguir o plano

  • Lusa
  • 2 Junho 2017

A UTAO diz que para que Portugal atinja o PIB de 2,5%, só precisa que o Programa de Estabilidade corra de acordo com o planeado.

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que, se o crescimento económico dos próximos trimestres for em linha com o projetado pelo Governo do Programa de Estabilidade, o Produto Interno Bruto (PIB) vai crescer 2,5% este ano.

Na nota sobre a execução orçamental até abril, a que a Lusa teve hoje acesso, a UTAO faz um exercício relativamente ao crescimento económico para o conjunto do ano já considerando os dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) relativos ao primeiro trimestre e que deram conta de um crescimento de 2,8% em termos homólogos e de 1,0% em cadeia.

Segundo a UTAO, “na hipótese dos trimestres remanescentes de 2017 registarem uma variação nula em cadeia, o crescimento anual do PIB situar-se-á em 2,0%”, ou seja, mais 0,2 pontos do que a projeção do Governo. No entanto, se o crescimento em cadeia nos próximos trimestres for conforme o previsto no Programa de Estabilidade deste ano, “o crescimento do PIB em 2017 tenderá a situar-se em torno de 2,5%”.

Os técnicos que suportam o parlamento em termos orçamentais estimam ainda que o crescimento económico só corresponderá ao valor esperado pelo Governo, de 1,8%, “apenas no caso de uma contração em cadeia em torno de 0,2%”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PIB pode chegar aos 2,5%. É só seguir o plano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião