Novo recorde na dívida pública. Já são mais de 247 mil milhões de euros

Aumento do endividamento da República deve-se sobretudo às emissões de títulos realizadas no mês passado e que totalizaram os 3,5 mil milhões de euros.

A dívida pública bruta de Portugal voltou a aumentar em abril para um montante recorde acima dos 247 mil milhões de euros, de acordo com os dados do Banco de Portugal.

As estatísticas da dívida pública relativas a abril indicam que o endividamento da República “situou-se em 247,4 mil milhões de euros, aumentando 3,9 mil milhões de euros relativamente ao final de março”.

Esta subida deve-se essencialmente às emissões líquidas de títulos de dívida no valor de 3,5 mil milhões de euros, explica o banco central liderado por Carlos Costa.

No mês de abril, o IGCP levou a cabo um duplo leilão de obrigações do Tesouro a cinco e oitos anos, tendo levantado 1.250 milhões de euros. Outros tantos 1.250 milhões foram obtidos através de dívida de curto prazo. Adicionalmente, a agência liderada por Cristina Casalinho concluiu mais uma emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) totalizando os 1.000 milhões de euros. A estes títulos juntam-se ainda o financiamento captado por via de Certificados do Tesouro Poupança Mais e ainda certificados de aforro.

Evolução da dívida pública

Fonte: Banco de Portugal (em milhares de milhões de euros)

O Banco de Portugal indica ainda que se registou um aumento das responsabilidades em numerário e depósitos em 300 milhões de euros.

Em relação à dívida líquida de depósitos, a rubrica também aumentou para 227,6 mil milhões de euros, um novo nível máximo. Tratou-se de um aumento de 1.098 milhões de euros face a março. Subiu em menor ritmo do que a dívida bruta em virtude do aumento dos ativos em depósitos da administração central, em 2,8 mil milhões de euros, diz o banco central.

Em março, o rácio da dívida atingiu os 130,6% do Produto Interno Bruto.

(Notícia atualizada às 11h52)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo recorde na dívida pública. Já são mais de 247 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião