Uber perde mais 700 milhões. CFO procura-se

  • Marta Santos Silva
  • 1 Junho 2017

A sangria continua na Uber, que além de perder milhões nos primeiros três meses de 2017 também ficou sem diretor financeiro. Agora, a empresa poderá estar a preparar uma oferta pública inicial.

A Uber perdeu 708 milhões de dólares (cerca de 693 milhões de euros) no primeiro trimestre de 2017, segundo contou ao Business Insider uma fonte da empresa, e está à procura de um novo diretor financeiro (CFO, na sigla inglesa), pelo meio dos escândalos que têm abalado a startup mais valiosa do mundo.

A plataforma ligada ao transporte urbano individual perdeu menos dinheiro do que no trimestre anterior, disse um porta-voz da Uber ao Business Insider, já que no final de 2016 a empresa ficou com prejuízos de 991 milhões de dólares, mas continua a ser uma perda significativa. Já as receitas, acrescentou a empresa, aumentaram 18% no primeiro trimestre de 2017 em relação ao anterior, para os 3,4 mil milhões.

A perda do seu diretor financeiro pode revelar-se uma oportunidade para a empresa, que dá agora pistas para o seu futuro ao procurar um novo CFO que já tenha experiência com cotadas. Esta especificação alimentou a especulação de que a empresa estará a preparar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla inglesa) para entrar em bolsa em breve.

O atual CFO da Uber, Gautam Gupta, vai sair em julho da empresa após quatro anos na Uber, embora sem nunca ter tido o título oficial.

A startup de São Francisco já foi avaliada por investidores privados em cerca de 69 mil milhões de dólares. No entanto, tem sido abalada por vários escândalos este ano, que, no entanto, não afetaram a operação em Portugal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber perde mais 700 milhões. CFO procura-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião