Juros namoram 3%. Há romance na dívida portuguesa?

Mercado parece estar nas nuvens com o desempenho da dívida portuguesa. O clima de romance com Centeno está aí. Juros estão perto dos 3%. Mas os analistas duvidam da sustentabilidade das taxas.

Mercado parece estar nas nuvens com desempenho de Portugal.Fotomontagem: Raquel Sá Martins

O mercado parece estar nas nuvens com o recente desempenho da dívida portuguesa. O juro das obrigações a dez anos mantém-se em queda acentuada há semanas, namorando a fasquia dos 3%. E o risco do país melhora a cada dia que passa. Ainda assim, os analistas têm dúvidas de que o romance entre investidores e Portugal seja de longa duração. As notícias são positivas, sim. Mas os ratings da República continuam a ser obstáculos a uma relação mais saudável com o mercado (isto é, ter custos de financiamento mais baixos). Uma redução crucial para evitar que a dívida seja arrastada numa bola de neve insustentável, risco que o Banco Central Europeu salientou no último Relatório de Estabilidade Financeira.

António Costa e Mário Centeno estão como os manos Sobral que conquistaram o Festival da Eurovisão. Aos investidores, também se apela: “Meu bem, ouve as minhas preces / Peço que regresses, que me voltes a querer“.

No fundo, o Executivo sabe que não deverá livrar-se tão cedo da classificação de “lixo” que as principais agências de rating mundiais, como a Moody’s ou a Fitch. Plano B: alargar a base de potenciais investidores e acelerar os reembolsos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para tirar partido das melhores condições financeiras que encontra nos mercados de dívida.

Como moeda de troca, o Governo tem a seu lado um ambiente económico que convida ao romance: a economia está a acelerar e a acelerar, o défice cairá abaixo de 2% este ano e está à vista a saída do Procedimento por Défices Excessivos.

Mas são sinais de confiança do mercado em relação ao país? Ciaran O’Hagan, diretor de estratégia de dívida do Société Générale, diz que não. Apesar das melhorias económicas de Portugal, O’Hagan enquadra tudo isto num cenário global que tem favorecido de forma particular as obrigações do país. Mas… e as boas notícias em Portugal?

“Em termos globais, o mercado tem estado em grande descompressão em termos de risco. Isto determina tudo o resto. Em Lisboa, assume-se muitas vezes os desenvolvimentos domésticos como críticos. Não são. A menos que sejam muito significativos. E os desenvolvimentos do quotidiano como o orçamento não são movers“, salienta O’Hagan.

David Schnautz, estratego de dívida do Commerzbank, vai pelo mesmo diapasão. Reconhece as boas notícias, mas… “Há um legado de questões que ainda precisa de registar mais progressos”, diz.

"Em termos globais, o mercado tem estado em grande descompressão em termos de risco. Isto determina tudo o resto. Em Lisboa, assume-se muitas vezes os desenvolvimentos domésticos como críticos. Não são. A menos que sejam muito significativos. E os desenvolvimentos do quotidiano como o orçamento não são movers.”

Ciaran O'Hagan

Diretor de estratégia de dívida do Société Générale

O que faz falta?

A verdade é que aos poucos os investidores estão a regressar. Depois de um longo período de ausência, os fundos nacionais voltaram a apostar em força em dívida portuguesa desde o início do ano, permitindo colmatar, em parte, o boicote que grandes fundos internacionais como a Pimco têm feito ao país. E, desde que atingiu máximos desde o tempo da troika em meados de março, os juros das obrigações têm realizado uma correção em baixa impressionante, tão impressionante que mereceu um comentário curioso dos analistas do Commerzbank: “As obrigações portuguesas estão na moda“. Negoceiam esta quarta-feira nos 3,05%, o o nível mais baixo desde setembro de 2016.

Ainda assim, para conferir sustentação ao atual nível dos juros (e até forçar nova baixa) falta as principais agências deixarem de considerar a dívida portuguesa como investimento especulativo. “Estas notícias positivas que temos tido são um bom indicador da trajetória histórica de Portugal, mas não são necessariamente um fator importante para os investidores repensarem a sua exposição ao país”, explica Schnautz. “Os ratings são muito mais importantes”.

Se o tom do discurso da Fitch e da Moody’s em relação a Portugal evoluiu num sentido mais positivo, já a evolução dos ratings está parada. E assim deverá continuar este ano. “De facto, o relatório recente da Moody’s sobre Portugal sublinhou que uma melhoria do grau de investimento ‘lixo‘ é pouco provável que ocorra este ano, pelo menos”, considera Schnautz. Porque “sabem que os desenvolvimentos domésticos não são o principal driver dos juros baixos, neste momento”, complementa O’Hagan.

"Estas notícias positivas que temos tido são um bom indicador da trajetória histórica de Portugal, mas não são necessariamente um fator importante para os investidores repensarem a sua exposição ao país. Os ratings são muito mais importantes.”

David Schnautz

Estratego do Commerzbank

O que as agências tem salientado nas últimas avaliações é que Portugal vai no caminho certo, mas o peso da elevada dívida e a falta de evidências na consolidação orçamental estão restringir melhorias na notação da dívida. Diz gestor do Société Générale: “As agências de rating têm um horizonte de longo prazo, mais longo do que o ciclo eleitoral. Os credores e agências querem ver medidas que reforcem a prosperidade e o bem-estar a longo prazo. Estou certo que o governo e os contribuintes também o desejem”.

Seja como for, o romance entre os mercados e Portugal está aí. Para Schnautz, oferece um tom positivo para o IGCP ir ao mercado sem correr o risco de pagar demasiado, numa altura em que este analista antecipa um leilão da ultra-longo prazo e uma emissão sindicada.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros namoram 3%. Há romance na dívida portuguesa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião