Impostos do alojamento local não mexem, garante o Governo

No OE2017, o Governo agravou o imposto sobre o alojamento local. Para 2018, o Executivo vai optar por não fazer mais mexidas nesta área. Alterações às regras podem surgir no Parlamento.

A garantia foi dada por Rocha Andrade: a tributação do alojamento local não vai ser alterada. O tema está em discussão na Assembleia da República, mas o Governo parece não estar disponível para mudar o nível de impostos. No Orçamento do Estado para 2017 este imposto já foi agravado de 15% para 35% dos rendimentos obtidos.

Neste momento não temos intenções de voltar a mexer no quadro fiscal do alojamento local.

Rocha Andrade

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

“Neste momento não temos intenções de voltar a mexer no quadro fiscal do alojamento local”, garantiu o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais em entrevista ao Expresso (acesso pago). “No que toca ao alojamento local, o Governo fez propostas e o Parlamento aprovou um novo quadro de tributação já no Orçamento do Estado para 2017“, assinalou Rocha Andrade, referindo que “havia uma tributação muito mais baixa do alojamento local do que do arrendamento”.

No início deste mês, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais tinha dito que queria tributar “eficazmente” o alojamento local, preocupação que voltou a assinalar. Atualmente, o Executivo está a equacionar mecanismos focados no arrendamento a turistas. O objetivo é apertar o controlo da tributação do alojamento local — uma receita do Estado que tem vindo a crescer — para que cada vez menos rendas passem ao lado da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impostos do alojamento local não mexem, garante o Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião