Retirar casa do alojamento local obriga a pagar mais-valias

  • ECO
  • 12 Junho 2017

A Associação do Alojamento Local considera que esta situação está a impedir a legalização de muitas casas que continuam a ser arrendadas clandestinamente.

Os proprietários de alojamentos locais que decidam retirar as casas desta atividade terão de pagar ao fisco mais-valias resultantes desta atividade, mesmo que não vendam o imóvel. A informação é avançada, esta segunda-feira, pelo Diário de Notícias / Dinheiro Vivo.

Em causa está o facto de o alojamento local estar registado, para efeitos fiscais, como prestação de serviços, pelo que os proprietários que abrem esta atividade são tributadas na categoria B. A casa de que se é proprietário é afetada à atividade de alojamento local, o que leva ao apuramento de uma mais-valia correspondente à diferença entre o valor de aquisição da casa e o seu valor de mercado à data de afetação. Esta mais-valia fica suspensa, isto é, não resulta em pagamento de imposto.

É no momento em que o proprietário retira a casa do alojamento local, reafetando a casa a uso pessoal, que há o apuramento de nova mais-valia, correspondente à diferença do valor existente à data de colocação do imóvel em alojamento local e ao valor deste no momento em que é retirado da atividade.

Para o presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP), Eduardo Miranda, esta situação trava a legalização de muitas casas que continuam a ser arrendadas clandestinamente. “Esta questão das mais-valias é um dos maiores obstáculos à legalização do alojamento local”, diz ao DN/Dinheiro Vivo, acrescentando que isto leva também a que alguns dos que desistiram do alojamento local “mantenham o registo e não cancelem a atividade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Retirar casa do alojamento local obriga a pagar mais-valias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião