Empresas do norte foram as “mais resilientes” durante a crise

  • Lusa
  • 24 Julho 2017

As empresas do norte não só conseguiram melhores resultados durante a crise, sendo responsáveis por metade do crescimento nacional, como agora se destacam na produtividade.

As empresas do Norte apresentaram o melhor desempenho económico a nível nacional entre 2008 e 2015, tendo-se mostrado as “mais resilientes” durante a crise e aquelas que asseguraram o crescimento em Portugal, conclui o relatório Norte Estrutura divulgado esta segunda-feira. O mesmo relatório alerta, contudo, para o crescente envelhecimento da população na região.

Nos períodos recessivos, mostraram-se as mais resilientes e, na fase de recuperação económica, foram o motor do crescimento empresarial em Portugal num conjunto de indicadores, em particular no pessoal ao serviço, no valor acrescentado bruto, no volume de negócios, nos gastos com o pessoal e na produtividade do trabalho”, pode ler-se no documento elaborado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Segundo o relatório, que identifica as tendências que marcam a evolução económica na região a médio longo prazo, “a proporção de sociedades da região do Norte no total nacional cresceu de 32,2% para 34,0% entre 2008 e 2015, um aumento que se traduziu em mais 7.925 sociedades na região do Norte e mais 3.996 em Portugal”.

“Depois do choque externo que ocorreu entre 2007 e 2008, a evolução que se seguiu até 2015 mostrou que as sociedades com sede na região do Norte foram mais resilientes do que as de Portugal no seu todo”, sustenta o relatório segundo o qual, no período de recuperação económica do país, as empresas do Norte “tiveram um melhor desempenho”.

No geral, diz o relatório que “o Norte voltou a contribuir com cerca de metade do crescimento no contexto nacional entre 2012 e 2015”, período durante o qual “a produtividade aparente do trabalho (…) cresceu cerca de três vezes mais na região do que em Portugal”.

“O dinamismo da economia empresarial da região do Norte foi, decisivamente, um pilar fundamental para o crescimento da economia no contexto nacional”, destaca a CCDR-N, realçando que “a prova disso foi a retoma que, entretanto, aconteceu nos indicadores de produção, de competitividade, de rendimento, de rendibilidade”.

Numa análise setorial, o setor das indústrias transformadoras mostrou-se, em 2015, como “o mais importante”, contando com 341.536 pessoas ao serviço das sociedades do Norte, correspondendo a 37,1% do total das atividades económicas, enquanto o comércio empregava 195.869 indivíduos (21,3%) e a construção 102.826 (11,2%).

Em conclusão, entre 2012 e 2015, na região do Norte, o volume de negócios aumentou 7,8%, os gastos com o pessoal cresceram 9,6%, as remunerações por trabalhador subiram 3,7% e a produtividade aparente do trabalho aumentou 10,0%. A evolução da situação patrimonial e financeira das sociedades nesse período mostrou que os capitais próprios do Norte aumentaram 23,5%, por sociedade, traduzindo-se num aumento da autonomia financeira de 31,9% para 38,0%.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), no período entre 2012 e 2015, “as sociedades da região do Norte recuperaram parcialmente o emprego perdido, com mais 57.281 pessoas ao serviço (+6,6%), um valor que confronta com mais 112.718 (+4,4%) em Portugal”. Já em termos de volume de negócios, no mesmo período as empresas do Norte entraram numa “trajetória de recuperação”, registando um aumento de 6.462 milhões de euros (+7,8%).

Empresas competitivas, mas a população regista perdas

Contudo, a evolução positiva da economia não foi suficiente para conquistar a população. A região Norte de Portugal perdeu, entre 2006 e 2016, mais de 135 mil habitantes, sendo que o saldo migratório negativo explica cerca de 83,3% desta perda populacional, conclui o relatório Norte Estrutura. Este valor foi “particularmente acentuado” entre 2012 e 2014, em que a região perdeu “cerca de 16 mil residentes por ano, em termos médios”.

O declínio demográfico é uma tendência que tem vindo a generalizar-se a praticamente todo o território da região do Norte”, pode ler-se no documento elaborado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). Segundo o relatório, que identifica as tendências que marcam a evolução económica na região a médio longo prazo, “a população residente da região do Norte atingiu o seu valor máximo em 2006, quase estabilizou em 2007 e diminuiu de forma mais acentuada desde então”.

Por sub-regiões, os números apontam para quatro – Cávado, Ave, Área Metropolitana do Porto e Tâmega e Sousa – cuja população apresentou, ao longo da década, uma taxa média anual de crescimento natural positiva, “embora com valores muito pouco expressivos”. Juntando as componentes natural e migratória, o estudo identificou nove municípios com crescimento efetivo da população entre 2006 e 2016, nomeadamente: cinco da Área Metropolitana do Porto (Maia, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia e Matosinhos); também o concelho de Braga; e ainda três municípios que formam um contínuo territorial divido entre o Tâmega e Sousa e o Ave (Paços de Ferreira, Vizela e Lousada).

Como resultado da dinâmica populacional regressiva, o Norte “apresenta-se com uma população crescentemente envelhecida” e, em 2016, residiam na região, em média, 146,4 pessoas com 65 ou mais anos por cada 100 jovens com menos de 15 anos de idade (valor que compara com 150,9 ao nível nacional) e apenas as regiões do Alentejo e do Centro contam com uma população mais envelhecida do que o Norte.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas do norte foram as “mais resilientes” durante a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião