Credor do Novo Banco: “investir em Portugal é uma confusão”

Fundo alemão investiu 100 milhões no Novo Banco e diz que o sucesso da operação de troca de dívida por dinheiro vai depender dos juros - "o bombom" - que a instituição oferecer nos depósitos.

O fundo alemão Xaia Investment está à espera de conhecer as condições finais da oferta de compra de obrigações do Novo Banco para decidir que rumo dar à posição de cerca de 100 milhões de euros que tem em dívida da instituição. Isto porque o sucesso da operação “dependerá das condições finais dos depósitos” que o Novo Banco vai disponibilizar aos credores, disse o ECO o diretor Jochen Felsenheimer.

Este fundo alemão detém uma posição em obrigações do BES/Novo Banco perto de 100 milhões de euros, mas não está autorizado a divulgar a posição exata. Ao ECO, Jochen Felsenheimer adiantou que já tentou entrar em contacto com o departamento de Relações para o Mercado do Novo Banco, mas sem sucesso. “Eu entendo. Talvez seja demasiado cedo e não queiram dar informação privada”, nota o responsável.

Ainda assim, o Xaia Investment só tomará uma decisão assim que estiver a par de todos os elementos da operação. O Novo Banco pretende comprar obrigações em troca de numerário, com vários níveis de desconto. Propõe ainda aos credores que queiram depositar o dinheiro recebido num depósito remunerado no banco.

É nesta opção que Felsenheimer acredita que pode estar a chave do sucesso da operação que visa reforçar o capital do Novo Banco em pelo menos 500 milhões de euros.

“O meu entendimento neste momento até agora é que o ‘bombom’ da transação poderá vir da possibilidade de aceitar a oferta dos depósitos, dependendo dos termos finais da oferta”, notou o diretor do Xaia. “Depois de ter estado em contacto com alguns investidores, a minha impressão pessoal é que o nível da oferta em dinheiro é muito desapontante e, por isso, a probabilidade de ter todo o negócio feito dependerá das condições finais dos depósitos“, sublinhou.

"O meu entendimento neste momento até agora é que o ‘bombom’ da transação poderá vir da possibilidade de aceitar a oferta dos depósitos, dependendo dos termos finais da oferta.”

Jochen Felsenheimer

Xaia Investment

Da informação que foi revelada ao mercado até ao momento, sabe-se que cada depósito a prazo disponibilizado renderá juros a uma taxa fixa por um período determinado de tempo que irá variar de três a cinco anos, condições a aplicar em função da série de obrigações.

“No caso de termos uma taxa de juro, que te compensa ao longo do tempo pelo desconto da oferta e finalmente tu tens o ‘par’ (isto é, a soma da oferta mais todos os juros recebidos nos depósitos) ao fim de alguns anos, economicamente, não é nada mais do que uma extensão da maturidade (juntamente com um haircut)”, explica Felsenheimer.

A opção depósitos visa sobretudo os clientes de retalho. De acordo com fontes do mercado, cerca de 40% dos obrigacionistas visados nesta oferta são clientes de retalho.

Jochen Felsenheimer, diretor da Xaia Investment

Desapontado com as perdas que pode vir a assumir com o investimento em obrigações do Novo Banco, Felsenheimer tenta desdramatizar esse cenário: “Eu gosto de Portugal, gosto muito das pessoas e até gosto da cerveja Sagres… mas investir em Portugal é às vezes uma verdadeira confusão”.

"Eu gosto de Portugal, gosto muito das pessoas e até gosto da cerveja Sagres… mas investir em Portugal é às vezes uma verdadeira confusão.”

Jochen Felsenheimer

Xaia Investment

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credor do Novo Banco: “investir em Portugal é uma confusão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião