“Em democracia não há desaparecimento de vítimas”, diz Marcelo

  • ECO
  • 27 Julho 2017

O Presidente da República frisa que não lhe "passa pela cabeça que, quem quer que seja, a pretexto de desdramatizar, possa minimizar o apuramento cabal dos factos e das responsabilidades".

Num momento em que o número de vítimas do incêndio de Pedrógão Grande ocupa o espaço mediático, o Presidente da República diz que não lhe “passa pela cabeça que, quem quer que seja, a pretexto de desdramatizar, possa minimizar o apuramento cabal dos factos e das responsabilidades”.

As declarações foram dadas ao Diário de Notícias, em entrevista a publicar no fim de semana (sábado e domingo). Marcelo Rebelo de Sousa frisa que o país vive numa democracia: “Em democracia não há desaparecimento de vítimas, não há, como se contava de algumas ditaduras estrangeiras, aviões a lançar corpos no mar. Isso não existe”. E pede “cabeça fria”. “É verdade que há debate político, em democracia há debate político, há período pré-eleitoral, estamos a dois meses das eleições autárquicas”, mas é preciso “serenidade” nesse debate, salienta o chefe de Estado.

Para Marcelo, é claro que “ou está vivo ou está morto, não pode haver uma terceira qualificação” e, por isso, insiste que não pode ficar a sensação de que, “por razões políticas, se minimiza o que não deve ser minimizado”. Porém, e pelas mesmas razões, não pode ficar a sensação de que se “maximiza e se lida com uma tragédia que pode correr o risco de ser considerada desrespeitosa para as próprias vítimas e para os familiares“.

Ou está vivo ou está morto, não pode haver uma terceira qualificação.

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

O Presidente reforça ainda que tem de haver “um apuramento total”, e não “parcial”, até “onde for possível esse apuramento, por um lado pelo Ministério Público e por outro lado pela comissão independente”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Em democracia não há desaparecimento de vítimas”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião