Lucros não impedem queda de 4% do BCP

As ações do BCP são as que mais perdem no PSI-20, apresentando o pior registo dos últimos dois meses.

A sessão até começou bem, com o BCP a acelerar na abertura da sessão bolsista portuguesa. Mas rapidamente o sentimento mudou, com os títulos do banco liderado por Nuno Amado a passarem a liderar as quedas do índice, que chegaram aos 4%. Nem a passagem do banco de prejuízos para lucros, está a ser suficiente para manter o BCP acima da linha de água. O BCP está a sofrer as maiores perdas em dois meses.

As ações do BCP BCP 0,00% recuam 3,12%, para os 24,5 cêntimos, com o título a apresentar o pior registo desde meados de maio. Esta quebra acontece apesar de o banco ter anunciado nesta quinta-feira que no primeiro semestre deste ano conseguiu passar de prejuízos para lucros. O banco liderado por Nuno Amado reportou nos primeiros seis meses do ano lucros de 89,9 milhões de euros.

Os resultados ficaram acima daquilo que era previsto pelos analistas, com o CaixaBI a aplaudir os números conseguidos pelo banco. “Ainda que continuando a apresentar um baixo nível de rentabilidade, é nosso entendimento que o BCP divulgou um conjunto de resultados positivo”, refere o analista André Rodrigues numa nota divulgada nesta manhã, salientando que “a evolução recorrente das principais variáveis manteve-se positiva”. O analista explica que esta dinâmica foi “visível no crescimento das principais linhas de receitas”, na estabilização do custo do risco de crédito em c. 120pts e na redução significativa do stock de ativos problemáticos (“NPEs”)”.

Aparentemente, são notícias que não justificariam uma queda, sobretudo tão acentuada, dos títulos do BCP. Contudo, o BCP à semelhança das restantes cotadas do PSI-20 (cai acima de 1%) parece não estar a conseguir escapar ao sentimento negativo das pares europeias. Os principais índices bolsistas do Velho Continente seguem no vermelho, pressionados por resultados aquém do esperado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros não impedem queda de 4% do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião