EuroBic: Eleições em Angola? “Não vejo quaisquer implicações” diz Teixeira dos Santos

  • ECO
  • 28 Julho 2017

O presidente do EuroBic, antigo banco BIC, fala sobre a influência de Angola na instituição que tem Isabel dos Santos, filha do presidente angolano, como acionista.

Teixeira dos Santos afirma que, em relação a Angola, “o único aspeto que será relevante” para o EuroBic será a situação económica e financeira. Não antevê portanto qualquer efeito da saída de José Eduardo dos Santos do poder angolano, que poderá consumar-se nas eleições que se aproximam.

Trabalho para um banco que, para além dos seus acionistas, tem os seus trabalhadores e clientes“, afirma Teixeira dos Santos em entrevista ao Negócios (acesso pago). Aliás, diz que “de forma alguma” sente trabalhar para Isabel dos Santos, a filha do atual presidente angolano, preferindo “manter um equilíbrio de todos esses interesses“: dos clientes, empregados e acionistas.

A crise financeira surge assim como o fator mais relevante, não só para o EuroBic mas também para “qualquer banco que atue no mercado português” dado os efeitos negativos que tem nas várias portuguesas empresas que têm negócios e relações com Angola. Aponta “dificuldades de divisas”, que causam problemas ao investimento e depois em “obter o retorno do seu investimento e expatriar esse retorno”, aumentando assim o risco de financiar. O peso deste tipo de operações no EuroBic diminuiu com a aquisição do BPN, garante Teixeira dos Santos.

Em relação aos processos judiciais que envolvem figuras da política angolana, nomeadamente o vice-presidente Mauel Vicente, Teixeira dos Santos diz-se “relativamente tranquilo” pois não tem sentido a saída de capitais angolanos do EuroBic na sequência destes processos.

Já os processos de branqueamento de capitais e procedimentos de concessão de crédito de que o EuroBic é alvo, “não há decisões” por agora, pelo menos que sejam do conhecimento do presidente. Mas já foram tomadas medidas para reforçar sistemas de controlo interno e de ‘compliance’.

Relativamente às dezenas de milhões de euros perdidas na sequência da exposição do ao BES à PT, Teixeira dos Santos diz que “foram investimentos que pareceram racionais e que faziam sentido na conjuntura que se vivia no então banco BIC” e declara que foram feitos “com autonomia e não sob a influência ou pressão fosse de quem fosse“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EuroBic: Eleições em Angola? “Não vejo quaisquer implicações” diz Teixeira dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião