EuroBic: a mudança começa agora. Custa 2,5 milhões

  • ECO
  • 27 Julho 2017

O banco tem até ao dia 27 para concluir "as mudanças". Conheça algumas das alterações que estão agora em curso.

O EuroBic tem até dia 27, esta quinta-feira, para adotar completamente a nova identidade exigida pelo banco BiG — que ainda assim não está satisfeito. A reformulação terá um custo de 2,5 milhões de euros e já está em curso desde o início da semana.

“Acaba por ser um investimento porque tivemos o cuidado de aproveitar esta mudança de marca para relançar a nova imagem do banco e ter um novo visual”, diz Teixeira dos Santos. A nova campanha de comunicação conta, à cabeça, com mudanças no site e uma nova aplicação para smartphones. Os cartões dos clientes só serão substituídos quando for necessário renová-los. Tudo dentro do previsto, garante Teixeira dos Santos em entrevista ao Negócios (acesso pago), que será publicada esta sexta-feira.

O presidente do antigo BIC diz ter respeitado as exigências do tribunal na mudança do nome do banco, que agora se chama EuroBic. Teixeira dos Santos declara-se portanto “tranquilo” quanto à desaprovação que reconhece da parte do Banco BiG. Esta é uma “marca que, ao preservar a identidade original do banco, evidencia o caráter europeu do projeto”, anunciou Teixeira dos Santos na apresentação.

Na mesma apresentação, o presidente do banco garantia que a mudança de identidade “em nada vai afetar os resultados do banco”, que até maio tinha lucros na ordem dos seis milhões. Anunciou ainda uma redução de agências ao mesmo ritmo que se vinha a verificar, isto é, 16 por ano. Ressalvou que “Há saída de pessoal, mas são saídas que são voluntárias”.

Esta mudança foi decretada pelo Tribunal da Relação de Lisboa, após o BiG avançar com uma ação no Tribunal de Propriedade Intelectual em 2013. Após dois recursos perdidos pelo Bic a favor do BiG, o banco de Teixeira dos Santos acabou por se render à mudança.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EuroBic: a mudança começa agora. Custa 2,5 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião