Novo Banco contabiliza prejuízos de 290,3 milhões de euros

O Novo Banco apresentou um resultado negativo de 290,3 milhões de euros no primeiro semestre, uma redução de 19,9% face ao prejuízo apurado até junho de 2016.

O Novo Banco registou prejuízos de 290,3 milhões de euros na primeira metade do ano, o que corresponde a uma diminuição de 19,9% face a prejuízos de 362,6 milhões de euros apresentados no mesmo período do ano passado. O banco justifica o facto de as suas contas continuarem no vermelho com o elevado nível de provisões.

Segundo os números revelados pelo banco, nos primeiros seis meses deste ano as provisões ascenderam a 413,1 milhões de euros, sendo que a maior parcela desse valor está associada ao crédito : 258,3 milhões de euros.

A instituição financeira diz que o seu resultado operacional — ou seja, antes de imparidades e impostos — foi positivo em 171,5 milhões de euros. Este valor corresponde a um aumento de 20,5% face ao mesmo semestre do ano passado, com o banco a dizer que essa subida é “demonstrativa da capacidade de geração de resultados por parte do Grupo Novo Banco”.

As comissões pela prestação de serviços bancários aos clientes é um dos fatores destacados pela positiva, com esta rubrica a contribuir em 156,3 milhões para o resultado alcançado. “Para esta evolução contribuiu a redução dos custos associados às emissões com garantia do Estado”, justifica o banco, salientando que “sem este efeito, as comissões teriam ficado ao nível do semestre homólogo, não obstante o processo de deleverage em curso”.

A quebra dos custos operacionais também contribuiu para a melhoria das contas. Na primeira metade deste ano, os custos operativos do Novo Banco totalizaram 265,2 milhões de euros, o que corresponde a uma diminuição de 12,8%, ou 39 milhões de euros, face ao apresentado no período homólogo.

No entanto, o banco explica que a quase totalidade da melhoria das comissões acabou por ser absorvida pela redução do seu resultado financeiro, o que afetou o produto bancário. Este acabou por cair 9,1% no primeiro semestre, para 367 milhões de euros.

O resultado financeiro caiu 19,6% em termos homólogos, para se fixar nos 210,6 milhões de euros. “O desempenho foi influenciado pelo facto de as taxas de juro de referência continuarem em terreno negativo, pelo elevado custo dos passivos titulados e pela necessidade de estabilizar o financiamento da atividade através dos recursos de clientes”, refere a instituição financeira no comunicado enviado à CMVM.

Já a margem financeira situou-se em 0,95%, segundo o Novo banco “decorrente de uma taxa média de remuneração dos ativos financeiros de 2,23% e de uma taxa média dos passivos financeiros de 1,28%”. O banco destaca ainda “o contributo dos depósitos para a redução da taxa dos passivos, cujo custo evoluiu de 0,96% em junho de 2016 para 0,81% no final do 1º semestre de 2017.

O volume de depósitos no banco registou um aumento, apesar de ligeiro, na primeira metade do ano (1,3%), para 25.381 milhões de euros. O crédito a clientes, pelo contrário, apresentou uma quebra homóloga de 10%, para um saldo de 20.929 milhões de euros. O banco refere que a diminuição do crédito a clientes vem “em linha com o processo de desalavancagem em curso”, salientando que no caso dos particulares se mantém a “estabilidade”. A carteira de crédito a este segmento situava-se no final de junho nos 11,3 mil milhões de euros.

Esta evolução levou o rácio de transformação do banco a baixar de 110%, no primeiro semestre de 2016, para 106% no mesmo período deste ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco contabiliza prejuízos de 290,3 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião