Associação de ex-dirigente do PSD recebeu dinheiro público indevidamente

  • ECO
  • 31 Julho 2017

Tribunal de Contas conclui que associação de ex-dirigente do PSD recebeu indevidamente benefícios públicos e dinheiro de fundos comunitários.

Uma associação privada criada por um ex-dirigente do PSD terá assinado vários contratos com o Estado sem uma base legal, recebendo benefícios públicos e dinheiro europeu a que não tinha direito. Esta é a conclusão de uma auditoria do Tribunal de Contas à associação privada e sem fins lucrativos que se dá pelo nome de Instituto do Território. A notícia foi avançada pela rádio TSF.

O Instituto do Território é liderado por Rogério Gomes que, até 2016, era diretor do Gabinete de Estudos do PSD e foi coordenador do programa eleitoral do partido. Foi fundado em 2012 com a presença de Pedro Passos Coelho, que já estava no Governo nessa altura. A auditoria do Tribunal de Contas conclui desde logo que, mesmo tendo sido “recentemente criada”, a associação conseguiu logo aceder a dinheiro de fundos comunitários.

A associação terá, portanto, recebido cerca de 250.000 euros da Autoridade de Gestão do programa europeu, pagamentos agora considerados indevidos pela Justiça. Além do mais, não terá sido feita fiscalização para avaliar os resultados deste investimento, sublinha a rádio. O tribunal considera mesmo ser necessário reaver esse valor pago ao instituto.

“O Instituto do Território é uma associação privada sem fins lucrativos que submeteu duas candidaturas ao Programa Operacional de Assistência Técnica (POAT): ‘Sistema Informático do Território’ e ‘Áreas Urbanas 14-20’. Apenas podiam ser beneficiários deste Programa Operacional os organismos de direito público, indicados por qualquer outro beneficiário, neste caso, o ex-Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional”, lê-se num comunicado do tribunal.

“Uma vez que a associação tinha sido recentemente criada, sendo uma entidade sem histórico, deveria ter existido uma maior ponderação por parte do proponente. Verificou-se que esta entidade não preenchia as condições para ser considerado ‘organismo de direito público’, não sendo elegível como beneficiário do POAT, pelo que a Autoridade de Gestão deste Programa Operacional pagou indevidamente ao instituto cerca de 249.800 euros”, acrescenta a nota do Tribunal de Contas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação de ex-dirigente do PSD recebeu dinheiro público indevidamente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião