Trabalhadores da PT foram à AR “procurar apoio claro e inequívoco” do PS

  • ECO
  • 31 Julho 2017

Esta é uma "luta extremamente difícil e complicada", assinalou no final do encontro o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Portugal Telecom (STPT), Jorge Félix.

Os representantes dos trabalhadores da PT Portugal estiveram reunidos esta segunda-feira no Parlamento com uma delegação do PS, procurando junto dos deputados socialistas “apoio claro e inequívoco” para o seu protesto contra a transferência de trabalhadores.

Esta é uma “luta extremamente difícil e complicada”, assinalou no final do encontro o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Portugal Telecom (STPT), Jorge Félix, para quem a PT é uma empresa vital para a economia e inclusive a segurança do país, uma vez que “há uma série de situações relacionadas com o interesse do Estado que passa pelas estruturas da PT”.

“Viemos procurar o apoio claro e inequívoco do PS”, disse Jorge Félix à saída da audiência com este partido.

Pelo PS, a deputada Idália Serrão afirmou aos jornalistas estar certa de que “com base numa maior informação” da situação dos trabalhadores “o Governo terá também uma maior capacidade de decisão”.

“Estou certa que o Governo está empenhado em olhar para esta situação de uma forma muito responsável”, vincou a socialista.

Os trabalhadores da PT Portugal anunciaram no final da semana passada quererem ser recebidos pelo primeiro-ministro e pela nova presidente executiva da operadora, Cláudia Goya, até ao dia de hoje, admitindo novas ações de protesto caso tal não aconteça.

Os sindicatos afetos à PT Portugal e a Comissão de Trabalhadores convocaram no dia 21 uma greve nacional de 24 horas, apontando uma adesão nacional de 70%, enquanto a operadora, detida pelo grupo Altice há dois anos, garantiu que foi de 19%.

Esta foi a primeira greve dos trabalhadores da PT em mais de 10 anos.

O grupo francês, que comprou a PT Portugal por cerca de sete mil milhões de euros, anunciou em 14 de julho que chegou a acordo com a Prisa para a compra, por 440 milhões de euros, da Media Capital SGPS, SA, que detém a TVI, mas o negócio aguarda ainda pareceres da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que é vinculativo, e da Autoridade da Concorrência (AdC).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da PT foram à AR “procurar apoio claro e inequívoco” do PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião