Blackstone vai às compras a Espanha para investir no Popular

  • Ana Batalha Oliveira
  • 31 Julho 2017

O fundo de private equity Blackstone pôs à venda quatro centros comerciais portugueses na semana passada. Agora negoceia 51% da carteira imobiliária de risco do Popular.

Depois de uma tecnológica israelita, a carteira imobiliária de risco do Popular. O fundo de private equity Blackstone, que se prepara para a venda de quatro centros comerciais portugueses, vai agora a Espanha negociar 51% da carteira imobiliária de risco do Popular.

O Santander procurava um parceiro e agora encontrou-o. O Blackstone está interessado em gerir pelo menos 51% dos ativos e empréstimos imobiliários que estão agora avaliados em 15 mil milhões de euros. O fundo de investimento vai usufruir de um “período de exclusividade” para as negociações, avança o Cinco Días.

Este é o segundo anúncio de que o Blackstone está num processo de compra deste que se soube da intenção de vender pelo menos quatro dos centros comerciais portugueses nos quais detinha uma posição. São eles o Sintra Retail Park, o Forum Sintra, o Forum Montijo e o Almada Forum. O negócio de venda deverá render ao Blackstone cerca de 900 milhões de euros.

Para além do Popular, a tecnológica Israelita NSO é um alvo provável para o investimento da Blackstone — um investimento de 340 milhões de euros. A NSO fabrica software para análise de informação de dispositivos móveis. A mesma confirmou que o Blackstone deverá juntar-se a outro investidor, a Clearsky, para a aquisição da NSO. Juntos, ficarão com 40% da empresa. A Francisco Partners, outra empresa de private equity que detinha uma posição maioritária na NSO desde 2014, ficará com outros 40%. Os 20% restantes caberão aos dois fundadores (6% cada) e aos 500 trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Blackstone vai às compras a Espanha para investir no Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião