Brasil ajuda Galp a crescer no primeiro semestre de 2017

  • Marta Santos Silva
  • 31 Julho 2017

A Galp viu os seus lucros subirem para os 250 milhões este semestre. Os resultados do grupo mostram um aumento das vendas de gás natural, assim como da produção de petróleo e de gás.

A Galp viu os seus lucros aumentar no primeiro semestre de 2017, de acordo com os resultados divulgados esta segunda-feira antes da abertura dos mercados. A produção cresceu em parte devido à atividade no Brasil, e os lucros chegaram aos 250 milhões de euros, mais três milhões do que no ano passado.

O resultado líquido RCA, que deixa de parte os efeitos não recorrentes e o efeito stock, registou esta subida para os 250 milhões de euros mesmo apesar de um “aumento de impostos decorrente de resultados mais elevados” na área da exploração e produção, lê-se num comunicado enviado pelo grupo.

O Ebitda da Galp — os lucros registados antes de serem tidos em conta os juros, impostos, depreciações e amortizações — fixou-se nos 892 milhões de euros no primeiro semestre deste ano: mais 262 milhões do que no período homólogo.

“O investimento totalizou 411 milhões de euros durante o trimestre”, continua o comunicado, em especial na área da exploração e produção de gás e petróleo, que viu 89% destes fundos. Assim se começa a explicar o aumento homólogo de 60% na produção média working interest, que graças à produção em vários campos brasileiros atingiu os 88,9 kboepd, ou equivalente a 88,9 milhares de barris de petróleo por dia.

A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva viu as vendas a clientes diretos manterem-se “em linha face ao primeiro semestre de 2016”, com as vendas em África a compensarem um decréscimo na Península Ibérica, justificado pela “redução de exposição a atividades com menor margem”. Assim, o volume de vendas em África representou 10% do total das vendas a clientes diretos. As vendas de gás natural, especificamente, aumentaram em relação ao primeiro semestre do ano passado.

Sobre o mercado ibérico, o comunicado da Galp assinala um crescimento no mercado de produtos petrolíferos em 1%, devido ao “aumento da atividade turística” que leva a uma maior procura de combustíveis para a aviação. O mercado de gás natural também cresceu 11%, “suportado por um aumento no consumo do setor eletroprodutor, num período com menor hidraulicidade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brasil ajuda Galp a crescer no primeiro semestre de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião