Energia: 92% dos consumidores já estão no mercado livre

  • Juliana Nogueira Santos
  • 18 Julho 2017

Segundo a ERSE, 4,85 milhões os consumidores já têm contratos de energia no mercado liberalizado. O período transitório vigora até 31 de dezembro de 2020.

São já 4,85 milhões os consumidores com contratos de energia no mercado liberalizado. Os dados são da ERSE, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, e revelam que no mês de maio o mercado atingiu uma quota de 92,4%. Este valor representa um crescimento de 0,4% em relação ao mês de abril e um crescimento homólogo de 6,8%.

A transição entre mercado regulado e mercado liberalizado continua a acontecer, numa altura existem ainda dois clientes (com ligação de alta tensão) do segmento de grandes consumidores no mercado regulado. “Em maio de 2017 entraram 33.762 clientes no mercado livre, tendo 12.202 transitado do mercado regulado e 21.560 entrado diretamente para as carteiras de comercializadores em regime de mercado”, pode ler-se no relatório mensal da instituição.

Em termos de consumo, a tendência mensal foi negativa tendo-se registado um decréscimo de 0,4% na quantidade de GWh distribuídos.

EDP solidifica liderança

A registar uma maior parcela dos clientes do mercado está a EDP Comercial, que solidificou a sua posição como principal operador. Ao concentrar 84% do total de clientes do mercado, a empresa do grupo EDP também liderou no campo do consumo, tendo fornecido 44% da energia total do mercado.

A Galp apresenta-se como a como a segunda empresa a ter maior quota de mercado (5,5%), seguindo-se a Endesa (4%) e a Iberdrola (2,2%). A empresa que viu a sua quota de mercado a expandir-se mais no último mês foi a PH, que aumentou 0,1% p.p.

A Endesa reforçou em dezembro a sua liderança no segmento de clientes industriais (30%), tendo aumentado a sua quota em 0,2 p.p. face a abril, enquanto a Iberdrola (27%) mantém a liderança no segmento dos grandes consumidores, apesar da quebra de 0,1 p.p. na sua quota no mês de maio, refere o comunicado da ERSE.

No global, a carteira de clientes ainda fornecidos pelo CUR (comercializador de último recurso; entidade responsável por efetuar o fornecimento de energia elétrica mediante a aplicação de tarifas definidas pela ERSE) ascendia em maio de 2017 a cerca de 1,31 milhões de clientes (dos mais de seis milhões no total)”, finaliza a ERSE. O período transitório para os clientes mudarem para o mercado livre vigora até 31 de dezembro de 2020, tendo já sido adiado várias vezes, a última no Orçamento do Estado para 2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energia: 92% dos consumidores já estão no mercado livre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião