Boas notícias: PIB da Zona Euro cresce ao ritmo mais alto desde 2011

  • Margarida Peixoto
  • 1 Agosto 2017

É preciso recuar ao primeiro trimestre de 2011 para encontrar uma subida maior do PIB da zona euro.

São boas notícias para Portugal: a Zona Euro, onde estão os principais parceiros comerciais da economia nacional, deverá ter crescido ao ritmo mais elevado desde o primeiro trimestre de 2011. No segundo trimestre deste ano, o PIB do conjunto da moeda única aumentou 2,1% face aos mesmos meses de 2016, duas décimas acima do que tinha sido registado de janeiro a março. Os dados correspondem a uma estimativa preliminar e foram revelados esta terça-feira pelo Eurostat.

Comparando com o período de janeiro a março, o PIB subiu 0,6%, um valor também mais elevado (em uma décima) do que o que tinha sido registado nos três meses anteriores.

O gráfico mostra como a Zona Euro já está a recuperar desde o primeiro trimestre de 2013.

PIB da zona euro a crescer

Fonte: Eurostat

Olhando para o conjunto da União Europeia (UE), os números são igualmente positivos, com o crescimento a acelerar tanto em termos trimestrais, como em termos homólogos. Os 28 países da UE cresceram 0,6% em cadeia e 2,2% face ao segundo trimestre de 2016, em ambos os casos uma aceleração de uma décima.

O reverso da medalha

Contudo, há sempre um lado B: o facto de a zona euro estar a consolidar a retoma económica poderá levar o Banco Central Europeu (BCE) a começar a retirar as medidas de estímulo não convencionais no final deste ano. E a retirada das ajudas do BCE deverá ter um efeito negativo para os juros que estão a ser pagos pela República portuguesa.

Tal como explicou Cristina Casalinho em entrevista ao ECO, é certo que Portugal beneficia de alguma “proteção natural” contra a retirada das ajudas do BCE — na medida em que o programa de compra de ativos pode encolher para metade sem que haja necessariamente um reflexo no volume de compras que podem ser feitas pelo banco central, de dívida portuguesa. Mas também é expectável que qualquer efeito de subida dos juros pagos por economias que funcionam como “indicadores avançados” do preço cobrado a Portugal (como sejam Espanha e Itália) contagie os preços pagos por Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boas notícias: PIB da Zona Euro cresce ao ritmo mais alto desde 2011

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião