Como evolui o endividamento dos municípios? A Pordata diz

  • Lusa
  • 2 Agosto 2017

A informação sobre as finanças autárquicas relativo ao endividamento e à dívida dos municípios foi fornecido pela Direção-geral das Autarquias Locais.

A Pordata lançou esta quarta-feira uma nova ferramenta ‘online’ que permite ter uma visão de conjunto sobre o endividamento e os limites ao endividamento dos municípios portugueses entre 2007 e 2015.

O conjunto de informação oficial sobre as finanças autárquicas relativo ao endividamento e à dívida dos municípios foi fornecido pela Direção-geral das Autarquias Locais.

O quadro sobre o endividamento líquido de cada município, disponível em http://www.pordata.pt/Municipios, vai de 2007 a 2013, a que se soma um outro quadro sobre a dívida, que vai de 2014 a 2015, sendo esta a informação mais recente disponível.

“Normalmente a informação que temos tido até ao momento é referente a um ano. Temos todos os anos, mas aparecem-nos a informação sobre este ano e sobre o ano anterior, individualmente. Aqui conseguimos passar de um ‘flash’, de uma fotografia, para um acompanhamento de uma trajetória. É preciso perceber a trajetória, perceber o caminho que está a ser feito”, explicou à Lusa Maria João Valente Rosa, diretora da Pordata, um projeto da Fundação Manuel dos Santos.

Maria João Valente Rosa salientou que o primeiro passo para compreender esta trajetória é perceber como se leem os números — explicações que estão disponíveis no capítulo de “Metainformação” da página –-, porque nos períodos agora disponibilizados houve alterações nas fórmulas de cálculo do endividamento dos municípios, que têm de ser tidas em consideração.

Por exemplo, até 2010 o endividamento líquido resulta da diferença entre passivos e ativos e quem não está endividado aparece com zero na tabela.

A partir de 2011 e até 2013 houve uma quebra de série e começam a aparecer nas tabelas os valores do endividamento dos municípios e “a partir de 2014 passámos a ter um novo conceito, diferente do conceito até ao fim de 2013”, pelo que os valores estão em quadros separados, explicou.

A informação pode ser retirada da página sob a forma de tabela excel, mapa ou em gráfico.

Recentemente, a Pordata já tinha disponibilizado um conjunto de informação sobre o número de trabalhadores da administração local, com dados entre os anos de 2009 e de 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como evolui o endividamento dos municípios? A Pordata diz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião