Mudanças? Poucas. Mas o CX-3 está mais…

A Mazda tem vindo a atualizar todos os modelos da Gama. Poucas diferenças à primeira vista, mas mais argumentos. E no CX-3 não é exceção.

É o mesmo SUV compacto, mas está mais refinado. A estética do CX-3 não sofreu grandes atualizações. No interior há menos… mas na realidade há mais qualidade. E também tecnologia, que se sente ao volante. E debaixo do capot? O 1.5 a diesel mantém-se uma aposta certeira. Da resposta ao estilo mais desportivo dos Mazda.

A geração 2017 do CX-3 mantém o visual exterior, que continua a surpreender pela positiva. A grelha frontal dá-lhe o ar de um automóvel mais desportivo, apesar de estarmos perante um SUV compacto (que agora pode ter como opção jantes de 18 polegadas). No interior há que contar com um novo volante e o Active Driving Display, melhorado para facilitar a leitura das informações.

Mas o que diferencia esta geração da anterior é a significativa melhoria em comportamento dinâmico e no conforto, fruto da adoção do G-Vectoring Control (GVC) como equipamento de série. Este sistema que ajusta em permanência o binário do motor em função do movimento da direção torna o CX-3 bem mais interessante de conduzir. Suave ou dinâmico, a escolha é do condutor.

Para puxar pelo SUV compacto, a Mazda continua a depositar total confiança no bloco diesel de baixas emissões SKYACTIV-D 1.5 de 105 cv, seja com caixa manual ou automática de seis velocidades, seja com tração dianteira ou integral. O ECO testou a versão manual com tração dianteira. Uma solução interessante, seja para o dia-a-dia, seja para passeios mais longos.

A conjugação do diesel com alma e o GVC transmitem a quem vai ao volante exatamente aquilo que a Mazda procura em toda a sua gama: prazer de condução. Mesmo sendo um SUV compacto, com uma altura ao solo e posição de condução mais elevadas, o CX-3 mostra o seu lado atlético sempre que solicitado. E faz isso sem grande custo, nem custos. Mesmo com o pé mais pesado, os consumos ficam-se pelos seis litros.

Os preços também não são muito elevados para o que esta nova geração traz, bem como em comparação com a concorrência cada vez mais feroz neste segmento. O leque de preços do Mazda CX-3 2017 inicia-se nos 23.693 euros da variante Mazda CX-3 2WD 1.5 SKYACTIV-D (105 cv) Evolve, com pintura sólida, até aos 34.612 euros do Mazda CX-3 AWD 1.5 SKYACTIV-D (105 cv) AT Excellence HT Leather White Navi com pintura metalizada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mudanças? Poucas. Mas o CX-3 está mais…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião