Um Insignia para aumentar a concorrência aos premium

Todos querem ser premium. Não é tarefa fácil, mas todos tentam. O Insignia é a prova disso mesmo, aliando linhas sedutoras com muito equipamento de gamas superiores.

Há automóveis que criam impacto logo à primeira vista. O Insignia é um deles: o médio familiar da Opel transformou-se num coupé de grandes dimensões que o diferenciam dos demais, colocando-o a lutar com modelos de gamas superiores no estilo. Mas é no interior que abre guerra aos premium, com materiais de qualidade elevada, mas principalmente com tecnologia que não é comum nestas gamas. Nem por estes preços.

São quase cinco metros de uma ponta à outra. É mesmo grande, mas também baixo, com uma curvatura que nos faz pensar em modelos como o antigo Passat CC, ou mesmo nos mais recentes, caso do BMW Série 4. Linhas vincadas na lateral, mas é a dianteira que marca. À nova assinatura da Opel juntam-se grupos óticos esguios de matriz de LED que conferem o ar mais dinâmico a um… familiar.

Se no exterior parece que estamos perante um modelo que é mais do que realmente é, quando se abre a porta as dúvidas aumentam ainda mais. Apesar do look coupé, há espaço que sobra para quem vai atrás (e a bagageira é gigante: 490 litros, podendo chegar aos 1.450 litros). Na frente, aos bancos completamente novos, que oferecem uma viagem bem passada, há todo um novo tablier revestido a materiais de elevada qualidade.

“A consola central foi desenhada para ter três zonas funcionais independentes. De cima para baixo, surgem primeiro os comandos do sistema de informação e entretenimento, seguindo-se os da climatização e os dos equipamentos de assistência à condução”, refere a marca. O sistema de informação e entretenimento integra o ecrã tátil que é a porta para tudo: rádio, navegação e até climatização, sem esquecer toda a conectividade. Claro, há OnStar, que agora inclui reservas de hotéis e procura de espaços de estacionamento.

À frente do condutor há um mostrador que mistura o analógico com o digital, sendo que nem é preciso tirar os olhos da estrada já que o head up display mostra o que é preciso. Projeta no para-brisas informação como velocidade, sinais de trânsito, programação de velocidade e indicações de navegação. Até os alertas de perigo de colisão para evitar percalços aos mais distraídos ao volante.

Nem parece que é tão grande

O Insignia Grand Sport impressiona pelas dimensões, mas ao volante tudo muda. Sem contar com as manobras para estacionar — que têm a ajuda de todos os sensores mas principalmente da câmara na traseira –, é um automóvel extremamente leve. A Opel revela que houve uma redução de peso que pode ir até 175 kg no Grand Sport e 200 kg na carrinha, a Sports Tourer, tornando este familiar extremamente ágil em qualquer dos ambientes.

Para ajudar a dar essa sensação é imprescindível motores com genica. Da gama para o mercado português fazem parte os motores 1.5 Turbo ECOTEC de 140 cv e 1.5 Turbo de 165 cv, ambos a gasolina, e os turbodiesel 1.6 Turbo D ECOTEC de 110 cv, 1.6 Turbo D de 136 cv e 2.0 de 170 cv. O ECO testou a versão a diesel que deverá ter maior adesão no mercado nacional, o de 136 cv, motor que se revelou sempre bastante solícito.

Seja na cidade, seja fora dela, o Insignia mostra-se sempre à vontade, com o motor a oferecer boa resposta sempre que solicitado, por vezes até mais do que o permitido pelo Código da Estrada. A caixa de seis velocidades, comum ao 1.5 Turbo de 165 cv a gasolina, ajuda a tirar partido do desempenho do bloco 1.6 a diesel — a marca tem uma nova caixa automática de oito velocidades que pode ser encomendada para o 2.0 Turbo D.

Manter clientes, atrair novos

A Opel acredita ter neste familiar argumentos de peso para se bater na sua gama, mas também atacar os premium. “Manter a base de clientes e atrair novos, sendo capaz de desafiar as apostas de marcas premium“, é o objetivo assumido pela marca que conta, além de um veículo totalmente novo, tecnologicamente avançado e com motores equilibrados no que respeita a desempenhos e consumos, com preços bastante atrativos.

Os preços iniciam-se em 28.680 euros, para o Insignia Grand Sport 1.5 Turbo ECOTEC de 140 cv e 30.980 euros para o Grand Sport 1.6 D ECOTEC de 110 cv“, nota a marca. “Nas variantes station wagon, a Insignia Sports Tourer 1.5 Turbo ECOTEC é proposta a partir de 30.030 euros e a Sports Tourer 1.6 Turbo D ECOTEC a partir de 32.330 euros”, acrescenta.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Um Insignia para aumentar a concorrência aos premium

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião